terça-feira, 31 de dezembro de 2019

DE ONDE VÊM AS TAINHAS?


A repórter e o Mar de Dentro

Junto com a água salgada, que leva botos, leões marinhos, aves, peixes e camarões do mar para a Lagoa dos Patos, foi também a premiada repórter Ângela Bastos, autora da recentemente publicada reportagem multimídia  "Pescadeiras" pela NSC e republicada aqui no Tainhanarede.
Com o calor sufocante deste verão, Ângela foi buscar um pouco de brisa marinha pelos piers e portos da lagoa.
Maior lagoa costeira da América do Sul, a Lagoa dos Patos, o "mar de dentro" de nossos vizinhos gaúchos faz parte da paisagem desde Porto Alegre até a cidade de Rio Grande, conhecida como "Noiva do Mar", e sede do V Distrito Naval.
Uma parte dela é inundada pelas águas do Atlântico e sua diversidade e importância como criadouro é inestimável.
Além de fotografar com exclusividade para o Tainhanarede, Ângela encontrou barcos de Santa Catarina, principalmente de Itajaí, aguardando a passagem do ano pra voltar ao mar e a pesca.

É da Lagoa das Patos, principalmente, de onde migram as milhares de tainhas que fazem a alegria e a festa dos pescadores e praias de Santa Catarina no outono.



 Fotos Ângela Bastos

 






TODAS AS CORES

Foto Fernando Alexandre

MAR - CAIS


Foto Fernando Alexandre
O verão é uma fogueira
no céu azul. É domingo
esta segunda-feira!
(Millôr Fernandes)

DANDO NOME...

Foto Fernando Alexandre


O AVAÍ É AQUI...

sábado, 28 de dezembro de 2019

E A PONTE CAIU...


 


 O dia em que a ponte Hercílio Luz foi derrubada e a ilha ficou à deriva!

Vinte anos atrás produzimos "Desterrando - Uma conspiração anarco-maneista!" filme curta-metragem de 5 minutos onde cortávamos as amarras que nos prendiam ao continente e ficávamos soltos na imensidão dos mares!

Destruímos a Hercílio Luz e assumimos a condição de ilha solta, à deriva, navegando por mares & marés nunca imaginadas!



 "Desterrando" chegou a participar de alguns festivais pelo Brasil afora e todas suas cópias se perderam no tempo.
 Vinte anos depois conseguimos uma, um pouco danificada,  e como todos os participantes deste sonhado filme ainda estavam vivos, decidimos comemorar no Pântano do Sul e no restaurante "Pedacinho do Céu", da Comandante Zenaide, onde boa parte do filme tinha sido rodado. 
Num clima de festa, nos juntamos para falar sobre nossa ilha utópica, que águas estaria singrando e em quais condições estaríamos vivendo nossa sonhada independência.

 Com os mesmos velhos sonhos, novas pessoas embarcaram nessa pacata ilha a deriva com a proposta de documentar, em vídeo, como estamos vivendo, cantando e amando desde a separação do continente.

 Fernanda do Canto conheceu o filme por meio de Tiago Alves. A ideia ficou lhe dando voltas à cabeça. Quis falar com o responsável por esse devaneio e assim chegou no Hieronymus Parth, que lhe apresentou Fernando Alexandre, que foi apresentado a Carlos Pontalti e sem muitos rodeios reiniciaram as gravações.

 Nesse novo filme, um documentário de ficção sobre os Desterrados, expõem-se pensamentos e ações das pessoas que vivem na utopia de uma ilha sem governo, imaginada, autogerida e cocriada por seus habitantes. Este registro segue em 2020, apesar da velha senhora - a Ponte Hercílio Luz - estar restaurada e fixada provavelmente a uma outra ilha. Nós continuamos à deriva com nossas vidas e nossos sonhos. E já faz 20 anos!

DESTERRANDO - O FILME