quinta-feira, 4 de maio de 2017

MEMÓRIA DAS ÁGUAS


 OS RANCHOS E A PESCA DE ARRASTÃO NA PRAIA DE CANASVIEIRAS 

Por José Luiz Sardá 

Fico a imaginar nas primeiras décadas do século passado, na pesca da tainha, em que os pescadores de Canasvieiras e das freguesias de Ratones, Vargem Pequena, Vargem do Bom Jesus, Vargem Grande e Cachoeira do Bom Jesus e localidades vizinhas, deixavam os afazeres da lida doméstica e da lavoura a cargo das mulheres, e seguiam em direção aos diversos ranchos de pesca da orla da praia de Canasvieiras. Para chegar à praia, passavam pelos verdejantes e frutíferos campos de araçás e cajus, entre caminhos, trilhas, e picadas.
Os donos dos ranchos e patrões eram todos nativos da região: Seo Vida, Evaldo Brasil, Nicanor dos Santos, Manoel Sardá, Joaquim da Ilhota, Zilico, Joca Rufino, João Firme, Timóteo Siqueira, Deca do Belo, Dezinho Pacheco, Leôncio e Manoel Schroeder. 

O vigia da pesca de arrastão tinha de ser um pescador com boa visão e experiência. Sua missão era avistar o cardume, observar a mudança de coloração d’água de vermelho escuro ou roxo e o saltar alto dos peixes. Com chapéu ou casaco, quando avistava o cardume saia abanando alertando os camaradas na orla, que aflitos esperavam o lançar da rede ao mar. O camarada mais rápido corre e segura o calão e então na cadência das remadas a rede é lançada ao mar, descrevendo um semicírculo.
 Dentro dela o patrão, quatro remadores e o chumbeiro. Na cadência e no avanço da canoa a rede é jogada ao mar, retornando na outra ponta. O patrão com sua experiência aos poucos solta a rede, dando equilíbrio à canoa. Ao retorno, uma ponta do cabo é amarada no assento e o chumbeiro com agilidade faz o equilíbrio da embarcação. Em terra os camaradas aflitos esperam a ordem do patrão para iniciar o arrastão e aos poucos a rede é puxada e deixada na areia e somente é recolhida ao final. 
Terminado o arrastão, os pescadores felizes fazem a partilha do pescado. A metade fica para o dono da rede, a outra para os pescadores. O proeiro tem direito a quatro quinhões, o patrão ganha três, o remador dois e os camaradas ganham um. Naquela época a fartura era tanta que ninguém voltava para casa de mãos vazias. Os donos das redes sempre davam tainhas para os amigos e parentes.

Mergulhe fundo e veja mais no
https://www.facebook.com/joseluiz.sarda

Nenhum comentário: