segunda-feira, 17 de julho de 2017

BALEIAS NO MUNDO

Foto Enrico Marcovaldi/Divulgação
As jubartes podem ser vistas com frequência no litoral baiano 

Do Brasil aos Estados Unidos, é possível avistar e ficar pertinho das grandonas o ano inteiro

As baleias cruzam os oceanos em uma longa viagem de milhares e milhares de quilômetros. Elas deixam as regiões geladas dos polos, Norte e Sul, e partem em busca de águas mornas, onde podem ter e amamentar seus filhotes. E dão as caras pelo litoral de vários países, fazendo a alegria dos turistas.

Durante todo o ano, é possível avistar as intrépidas viajantes, já que cada espécie tem sua temporada de migração. A observação de baleias – ou whalewatching – é feita em alto mar a bordo de pequenas embarcações.

Não se pode garantir a aparição dos enormes cetáceos, mas com a ajuda de sonares e guias especializados, além de um tantinho de sorte, dá para sentir a emoção de ficar pertinho das grandonas.

Baleia jubarte – Bahia

Famosas por seus malabarismos aquáticos, as baleias jubarte dão saltos espetaculares e fazem belos movimentos de cauda. Elas conseguem elevar quase todo o corpão de até 16 metros para fora da água, mostrando as longas barbatanas. Bastante curiosas, gostam de se aproximar dos barcos e nadar ao seu redor.

São figurinhas fáceis no litoral sul da Bahia, conhecido como Costa das Baleias, que inclui cidades como Prado e Cumuruxatiba. Mas o arquipélago de Abrolhos é um dos pontos preferidos para a reprodução.

A temporada de baleias ou “baleiada” vai de julho a novembro, com destaque para os meses de agosto e setembro, quando chegam da Antártida. Como habitam todos os oceanos, as jubarte também são vistas, por exemplo, no litoral da Austrália, África do Sul e Chile.

Baleia franca – Santa Catarina

De julho a novembro, as baleias franca dão as caras no litoral catarinense. O melhor mês para observá-las é setembro, quando chegam pertinho da costa. As praias de Imbituba, Garopaba e Laguna são as preferidas das grandalhonas, que chegam a 18 metros.

Depois de se alimentar na região da Antártida, elas procuram águas mais quentinhas para amamentar os filhotes. Repare na cabeça cheia de rugosidades que são a principal característica da espécie e que funciona como um tipo de impressão digital. Na verdade, são milhares de minúsculos crustáceos chamados de “piolhos de baleias” que vivem ali como parasitas por toda a vida.

Baleia azul – Portugal

Getty Images
Pesando até 170 toneladas, a baleia azul é o maior animal do mundo 

Com mais de 30 metros e pesando até 170 toneladas, a baleia azul é o maior animal do mundo. As grandalhonas vivem em todos os oceanos, mas um dos melhores lugares para avistá-las é no arquipélago de Açores, em Portugal.

No verão, principalmente nos meses de maio e junho, as comilonas vêm em busca de um tipo de crustáceo bem comum na região, o krill. Elas chegam a consumir até quatro toneladas por dia.

Para garantir o sucesso do passeio, um vigia fica de prontidão observando com binóculos o litoral do arquipélago. Ao avistar um grupo, ele comunica por rádio ao comandante da embarcação, que chega até pertinho dos enormes cetáceos. Além delas, outras espécies de baleias frequentam a região como cachalotes e orcas, além de golfinhos e tartarugas.

Baleia cinza – Estados Unidos
Durante o passeio, é possível ver dezenas de focas, leões marinhos e simpáticos golfinhos, que gostam de pular ao lado dos barcos. Mas a estrela principal do tour são as baleias cinzas, que aparecem no litoral de San Diego de dezembro a abril.

Incansáveis, elas passam mais de quatro meses viajando, noite e dia, em uma distância de 10 mil quilômetros, das águas geladíssimas do Alasca ao litoral ensolarado da Baja Califórnia, no México.
Como os jatos de água de respiração ocorrem, em média, a cada dez minutos, dá para se programar para tirar boas fotos. Ou quando elas colocam a cabeçona para fora d’água, parecendo que olham ao redor.

Cachalote – Nova Zelândia
Getty Images
Baleias podem ser vistas durante o ano todo na cidadezinha de Kaikoura 

A observação das cachalotes pode ser feita o ano todo na bela cidadezinha de Kaikoura, a 180 quilômetros da capital Christchurch. E não é à toa. A região concentra uma abundância incrível de peixes, polvos e lulas gigantes. É por isso que recebe também as migrações de outras espécies como jubarte, azul e mink.
Sem dúvida, o que mais chama a atenção é a grande cabeça em formato quadrado. Mas as cachalotes são também o maior animal com dentes. Caçadora persistente, ela é capaz de mergulhar até 3 mil metros de profundidade para buscar sua presa – o que inspirou a obra Moby Dick, de Herman Melville.

Nenhum comentário: