quarta-feira, 10 de maio de 2017

Pescando Tainhas - O CERCO DE PRAIA

Gravura Hans Staden - 1526
Foto Andrea Ramos - 2011
A Pesca da Tainha de Arrasto, ou Cerco de Praia, como também é chamada,  já era praticada pelas tribos indígenas que habitavam o litoral brasileiro em 1526, segundo relatos de historiadores e navegadores antigos, entre eles o português Gabriel Soares e Hans Staden.

 Esta forma de pesca artesanal ainda é praticada  anualmente por centenas de comunidades pesqueiras do Brasil, do Espírito Santo ao Rio Grande do Sul.
E talvez seja uma das últimas atividades realizadas coletivamente pelas comunidades, capaz de reunir espontaneamente homens, mulheres e crianças neste ritual de pesca e de peixe, formando elos de socialização e convívio que muitas vezes  se julgavam perdidos.

No litoral de Santa Catarina esta tradição, herdada dos ancestrais indígenas, ainda se mantém intacta em suas características e calcula-se que 20 mil pescadores, entre artesanais e industriais, estão envolvidos diretamente com a pesca da tainha no Estado. 


 Em quase todas as praias deste litoral a população vive e respira, nos meses de maio, junho e julho,  a expectativa e a chegada dos cardumes, que saem da Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul, e dos estuários do Rio da Prata, na Argentina e Uruguai, em busca de águas mais quentes para a desova.
Apesar de alguns aspectos da pesca de arrasto variarem de região para região, o jeito de pescar e as etapas são os  mesmos: o cardume (a manta) de peixes é avistado,  cercado pelas canoas e arrastado para a praia, onde é feita a divisão entre os pescadores e a comunidade.

Nenhum comentário: