segunda-feira, 31 de outubro de 2016

ENGOLIDOS PELO MAR

Foto Arquivo
AS SEREIAS DO HERMENEGILDO

por Kledir Ramil

Os moradores da Praia do Hermenegildo, no Rio Grande do Sul, estão sendo engolidos pelo mar. Pouco a pouco vão sendo devorados por tsunamis de porte médio, que avançam sobre “a maior praia do mundo”.
Alguns falam que é culpa do aquecimento global, outros dizem que é uma maldição local. Não sei. Não quero criar pânico, mas pelos relatos que tenho ouvido, dá até pra acreditar na tal lenda de um monstro marinho, que provoca maremotos com o objetivo de avançar terra adentro em busca de alimento. A fúria destrutiva das águas permite imaginar fantasias como essa de um “Monstro do Hermena”, capaz de engolir o que encontra pela frente: gente, animais domésticos, árvores inteiras, automóveis, ruas de paralelepípedos e até casas de veranistas. Agora, se o bicho consegue digerir tudo isso, é outra coisa.
A praia do Hermenegildo é um lugar lindo e, ao mesmo tempo, estranho. Fica lá no fim do mapa, onde o Brasil encontra o Uruguai e talvez haja mesmo por ali algum mistério inexplicável. Antigamente, a região era um reduto de piratas. Piratas sem embarcações. A pé, a cavalo. Coisa de gaúcho. 
Era assim. No meio da noite, os bandidos acendiam uma enorme fogueira na beira da praia para confundir os navegantes, que acreditando estarem vendo o farol do Chuí, seguiam a falsa rota até encalhar e serem atacados. E pilhados.
Mesmo com todo esse histórico de lendas e desequilíbrio da natureza, meu irmão Kleber comprou uma casa no balneário, de frente pro mar. Como se quisesse desafiar os deuses, especialmente Netuno, o deus dos oceanos.
Dizem que num fim de tarde de outono, Kleber teria ouvido ali o canto das sereias e desde então ficou enfeitiçado. É possível. Ele é um cara de alma sensível, capaz de se deixar levar por encantamentos.
As sereias do Hermenegildo são o oposto dos piratas gaúchos, que ficavam na beira da praia atraindo os incautos. Tudo o que elas querem é nos levar para as profundezas do mar, para vivermos sabe-se lá que tipo de experiência. É um mistério. Nunca voltou uma viva alma pra contar.
Kleber ama o Hermena. Talvez um dia, sentado na sua cadeira de balanço, tomando um mate na varanda e pensando na vida, ele seja tragado pelas ondas do Oceano Atlântico.
Me preocupo por ele mas, se for pra ser assim, tenho certeza que partirá feliz. Nos braços das sereias.

Kledir Ramil 

CRÔNICAS

Nenhum comentário: