domingo, 11 de setembro de 2016

LÁ NO FUNDO...


Tesouro valioso é encontrado em Naufrágio do séc. XIX

Publicado por João Lara Mesquita on 2014-08-15

Pepitas de ouro e moedas antigas são encontradas em navio naufragado em 1857.

Um navio recheado de tesouros jaz no leito do oceano Atlântico há mais de 150 anos. O casco afundado, na costa da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, rendeu até agora 45 barras de ouro, 47 joias, mais de duas mil moedas de ouro e perto de 11.500 moedas de prata.

Outros itens foram recuperados, como um par de óculos e 60 fotografias antigas feitas em placas de vidro.

O navio, o SS Central America, partiu de Nova York em setembro de 1857 quando um furacão o afundou com 425 pessoas e toneladas de ouro californiano a bordo.

Depois que o descobridor original tornou-se fugitivo da lei em 2012, um tribunal de Ohio determinou um depositário judicial, Ira O. Kane, advogado e empresário de Columbus, encarregado de recuperar o máximo possível do tesouro para os credores e investidores. O depositário contratou uma empresa para revisitar o naufrágio.

Desde abril, a companhia Odyssey Marine Exploration, de Tampa, na Flórida, vem utilizando um robô no local e já trouxe cinco barras de ouro pesando 30 quilos.

Até agora, a Odyssey já apresentou três relatórios mensais sobre suas tentativas de recuperação.

Os relatórios da Odyssey têm fotos coloridas do naufrágio e do tesouro. A maior barra de ouro recuperada até agora mede cerca de 25 centímetros, pesando dez quilos – somando US$ 415 mil pela cotação atual do ouro.

Entre as jóias encontradas está um anel de ouro com seis espirais entrelaçadas – criação comum de joalheiros séculos atrás, geralmente como alianças de casamento.

Uma grande descoberta ainda enterrada no fundo do mar é um enorme cofre de ferro, cuja porta foi corroída depois de mais de um século na água salgada. A equipe exploradora dirigiu o grande robô, equipado com braço manipulador, para abrir a porta.

O cofre continha vários itens. Dois pacotes menores, amarrados com barbante cheios de papéis que serão estudados num laboratório de conservação adequada. Uma pistola e duas bolsas de tecido de algodão muito bem embaladas, contendo moedas e pepitas de ouro.

Uma bolsa de tecido foi aberta revelando uma pequena fortuna em moedas de ouro conhecidas como águias duplas, cujo valor era de US$ 20 no século XIX. Hoje, moedas de procedência similar são vendidas entre US$ 9.500 e US$ 110 mil o exemplar. A bolsa continha 134 delas.
Outro achado foi um sextante, equipamento de navegação utilizado para determinar o ângulo entre um objeto celestial e o horizonte.

(Do https://www.facebook.com/marsemfim)

Nenhum comentário: