domingo, 10 de abril de 2016

MARES DE PORTUGAL

ah mar

sem porto nem cais
areal onde varar
procurar na memória
nas imagens retidas
um poiso um lugar

barco sem terra
condenado ao mar

resta
esperar a onda
o instante exacto
largar

ganhar o longe
ser poiso de gaivotas cansadas
sorrir à espuma

o que há para além de mar?

(torreira; companha do marco; 2011)

de braços abertos o maria fátima espera o largar

Nenhum comentário: