sexta-feira, 30 de março de 2012

NUMA ILHA DO CARIBE

Do Lengo - Mergulhe fundo no www.dnoronharte.blogspot.com.br

OCEANO PERPÉTUO

Foto Reuters

Uma foto divulgada pela Nasa (agência espacial americana) mostra as correntes oceânicas no litoral leste do continente africano.Para compor a imagem, usou-se informações coletadas no período 2005-2007, usadas posteriormente por um equipamento de estudo da circulação e clima dos oceanos, o Ecco02. Esse sistema faz simulações do movimento das águas oceânicas em seus níveis mais profundos, mas aqui, na visualização intitulada "Oceano Perpétuo", é exibida somente a superfície.

(Da Agência Reuters)


quinta-feira, 29 de março de 2012

Tribos do Mar





Golfinhos se organizam em 'gangues'
Victoria Gill
Da BBC News
Golfinhos conseguem formar até três diferentes tipos de alianças, revela estudo feito no oeste da Austrália

Os golfinhos do gênero Tursiops, que inclui as espécies Tursiops truncatus e Tursiops aduncus, se organizam em "gangues", protegendo suas fêmeas de bandos rivais e ocasionalmente "mudando de lado", aponta um estudo realizado por cientistas na Austrália.
Conhecidas em inglês como "bottlenose dolphins", essas espécies tiveram seus movimentos analisados por especialistas baseados na Shark Bay, no oeste da Austrália, durante cinco anos.
Os resultados indicam que eles se movem em uma área que compreende centenas de quilômetros quadrados, e geralmente encontram diversos grupos organizados.Richard Connor, um pesquisador dos Estados Unidos que integrou a equipe, começou a estudar os golfinhos da Shark Bay ainda no início dos anos 1980.

Uma das principais características observadas na pesquisa do americano indica que os golfinhos vivem em uma "sociedade aberta", em grupos com "um mosaico de comportamentos semelhantes", ao invés de simplesmente se organizarem em grupos de machos que guardam um território específico.
O fato de os golfinhos migrarem em "gangues", e frequentemente encontrarem rivais, mostra o elevado grau de inteligência destas espécies, já que, ao se depararem com outros grupos, precisam decidir como se portar.
Três tipos de alianças




Formação de grupos com diferentes níveis de interação social requer 'inteligência incrível'
Na região de Shark Bay, a solução encontrada pelos golfinhos foi a divisão em três diferentes tipos de alianças que os mantêm unidos.
A primeira se manifesta em duplas ou trios que trabalham juntos para capturar e manter fêmeas férteis. "Essas parcerias podem durar mais de um mês", diz Richard Connor.
No segundo tipo, os animais formam "equipes" de quatro a 14 machos que organizam ataques contra outros bandos para roubar suas fêmeas, ou para se defender de ataques rivais.
Já no terceiro tipo de aliança, os golfinhos mantêm "relações amigáveis" entre os grupos dominantes, unindo forças para formar "exércitos de golfinhos" e trabalhando juntos para resguardar suas fêmeas diante de potenciais ataques de grandes grupos rivais.
Evolução
Connor afirmou à BBC que um animal precisa ser "incrivelmente inteligente" para formar este tipo de sociedade em que grupos encontram outros grupos e devem decidir se os considerarão rivais ou aliados.
"A principal ideia para a evolução de cérebros realmente grandes é que o processo é guiado por relações sociais complexas", diz o pesquisador.
Além da decisão inicial de atacar ou se unir, os golfinhos de Shark Bay podem decidir até "mudar de lado", movendo-se de um grupo para outro ou retornando ao de origem.
De acordo com os cientistas que estudam estas espécies, somente os golfinhos de Shark Bay e os seres humanos conseguem produzir sociedades com estes níveis múltiplos de alianças entre machos.

Nichola Quick, da Unidade de Pesquisa de Mamíferos Marinhos da Universidade de St. Andrews, diz que compreender como os animais gerenciam suas redes de interação social é algo crucial para "realmente entender seu comportamento".

"Se, por exemplo, estivermos interessados nos impactos da atividade [humana] nos animais", afirmou, "só podemos realmente dizer se houve um impacto se soubermos o que os animais fazem 'normalmente'."

quarta-feira, 28 de março de 2012

1924 - MILLÔR - 2012

VIAGEM AO CENTRO DA TERRA


Reportagem da Euronews, em Português

James Cameron desce até o ponto mais profundo da Terra

A National Geographic divulgou imagens da expedição do diretor James Cameron a fossa das Marianas, o lugar mais profundo da crosta terrestre.
Cameron, 57, foi a primeira pessoa a viajar, sozinha, 11 quilômetros para dentro do oceano Pacífico para explorar a região.
A jornada no submarino Deepsea Challenger, desenhado pelo próprio Cameron, durou cerca de duas horas e meia.
De acordo com a National Geographic, ele permaneceu na depressão Challenger, o local mais fundo da fossa das Marianas, por 70 minutos.
O diretor dos filmes "Titanic" e "Avatar" descreveu a paisagem do local como "lunar" e "desolada".
"Meu sentimento foi de completo isolamento da humanidade, me senti como se em um dia eu tivesse ido para outro planeta e voltado."
Ele também descreveu os efeitos da enorme pressão dentro do submarino ao chegar ao fundo do oceano.
"A esfera em que eu estou realmente encolheu e a janela pela qual eu olho sofreu um empurrão para dentro, sob o peso de quase 8 toneladas por polegada quadrada.
Durante a expedição, Cameron recolheu amostras para pesquisas. As imagens produzidas serão usadas em um documentário em 3D.


(Da BBC)

terça-feira, 27 de março de 2012

ALERTA NO MAR

Foto Amnésio Krônico
Defesa Civil está em alerta devido à previsão de temporal e mar agitado no Litoral catarinense.
Uma frente fria deve provocar rajadas de vento de até 70km/h e ondas de até 2,5 metros, por isso está desaconselhada a pesca e a navegação nesta terça-feira.
  Há previsão de mar muito agitado a partir da tarde de terça-feira , com ondas de 2 a 2.5 metros na costa catarinense, devido ao vento sul com rajadas de 50 a 70 km/h. Por isso, as atividades de pesca e navegações são desaconselháveis.
No caso de ventos fortes ou tempestades, a Defesa Civil orienta as pessoas a procurar abrigo em locais seguros e não transitar em locais abertos, próximo a árvores, placas ou objetos que possam ser arremessados.

segunda-feira, 26 de março de 2012

NAVEGANTES


ONDA GIGANTE
  O brasileiro Joca Signorini passou momentos de tensão na quinta perna da Volvo Ocean Race. O barco da sua equipe, a Telefónica, sentiu a força do Oceano Antártico neste domingo, quando duas ondas gigantes e ventos com mais de 70km/h atingiram o barco no caminho até o Cabo Horn.
As imagens foram realizadas pela câmera instalada na popa da embarcação e mostram que todos que estavam no convés — incluindo o timoneiro – foram arremessados duas vezes devido à força das ondas, que chegavam a atingir uma altura de 10 metros.

ACORDES DA ILHA

Clipe de  "Você Já Foi à Floripa?", do cantor e compositor Rodrigo Piva, incluída no seu novo CD, "Na Garganta do Artista". Imagens do fotógrafo Betho Costa.

sábado, 24 de março de 2012

LULARADA

Foto Andrea Ramos
Só dá lula no Pântano do Sul e na Praia da Armação. Com a entrada do vento Sul e o aquecimento das águas nos últimos dois dias, praticamente todas as embarcações das praias estão no mar dia e noite, aproveitando os últimos cardumes desta temporada. Pequenas bateiras chegaram a capturar, em apenas uma noite, mais de 200 quilos. Com isso, o preço despencou: vendidas no verão a 8/10 reais o quilo, pode-se comprar hoje, diretamente dos pescadores na praia, a 3,50/4 reais o quilo da lula suja.

terça-feira, 20 de março de 2012

Desvendando os mistérios do Lobo Solitário

Navegando com o sol

Foto Júlio Cavalheiro
Sem poluir e nem emitir gases que provocam o efeito estufa. Assim deslizam sobre o mar de Florianópolis os barcos movidos à energia solar, que competem no Desafio Solar Brasil. A primeira etapa da disputa começou neste domingo com volta de apresentação, e termina sábado. A segunda fase será realizada em outubro, em Paraty, no Rio de Janeiro.
São 10 equipes competindo – nove formadas por estudantes universitários e uma por alunos de cursos técnicos. O Estado está representado por quatro equipes. Duas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), uma do Estado de Santa Catarina (Udesc) e outra do Vale do Itajaí (Univali). As demais são fluminenses. Elas constroem embarcações com placas fotovoltaicas que captam o calor do sol e repassam a energia para uma bateria. Essa bateria alimenta um motor elétrico. Para esta disputa, são duas categorias: monocasco e catamarã, que têm dois cascos. A ideia é mostrar que energia limpa funciona e pode ser usada por embarcações comerciais.

Cada dia, as equipes terão uma prova para cumprir. A saída é sempre feita do Parque de Coqueiros. Vencerá o grupo que cumprir as provas em menor tempo. Os barcos devem atingir no mínimo 8 quilômetros por hora. Geralmente, eles alcançam até 21 quilômetros por hora.

– Isso porque os barcos são pequenos e não aguentam mais placas. Se usarmos mais placas e mais baterias é possível alcançar velocidade de lanchas – conta o estudante da Federal do Rio de Janeiro, Victor Campos.
A competição é feita no Brasil desde 2009. Em Florianópolis, é o segundo ano. A disputa foi trazida da Holanda, que sedia o evento mundial.

(Júlio Antunes Lorenço - DIÁRIO CATARINENSE)

segunda-feira, 19 de março de 2012

Obsessão do mar oceano

Foto Nakura D'àlem
Vou andando feliz pelas ruas sem nome...
Que vento bom sopra do Mar Oceano!
Meu amor eu nem sei como se chama,
Nem sei se é muito longe o Mar Oceano...
Mas há vasos cobertos de conchinhas
Sobre as mesas... e moças na janelas
Com brincos e pulseiras de coral...
Búzios calçando portas... caravelas
Sonhando imóveis sobre velhos pianos...
Nisto,
Na vitrina do bric o teu sorriso, Antínous,
E eu me lembrei do pobre imperador Adriano,
De su'alma perdida e vaga na neblina...
Mas como sopra o vento sobre o Mar Oceano!
Se eu morresse amanhã, só deixaria, só,
Uma caixa de música
Uma bússola
Um mapa figurado
Uns poemas cheios de beleza única
De estarem inconclusos...
Mas como sopra o vento nestas ruas de outono!
E eu nem sei, eu nem sei como te chamas...
Mas nos encontramos sobre o Mar Oceano,
Quando eu também já não tiver mais nome.

(Mário Quintana, em "O Aprendiz de Feiticeiro")

sexta-feira, 16 de março de 2012

PROFISSIONAL DE VERÃO

Foto Divulgação
Percorrer as mais lindas praias do Brasil durante 23 dias, com tudo pago, e ainda ganhar por isso. Esse sonho será realizado pelo publicitário de Curitiba Marcel Bely, de 23 anos, que disputou na quinta-feira, com outros 49 candidatos, a vaga de "profissional do verão", tendo como contratante uma marca de chicletes. Com uma remuneração de R$ 10 mil pelo período de trabalho, o selecionado vai encarar o segundo melhor emprego do mundo. Só perde mesmo para o do britânico Ben Southall, que em 2009, aos 34 anos, foi escolhido no concurso para o "melhor emprego do mundo": trabalhar como zelador da paradisíaca Ilha de Hamilton, situada na Grande Barreira de Corais australiana. O salário, na época, foi de R$ 235 mil para passar seis meses na ilha.

No Rio, 50 participantes pré-selecionados por meio de um teste on-line fizeram na quinta-feira uma prova, devidamente ambientada: os organizadores colocaram cadeiras escolares e guarda-sóis na Praia de Copacabana.

A missão do "profissional do verão" é mapear as praias brasileiras e indicar as melhores a serem frequentadas durante a próxima estação.

O "profissional do verão" passará por importantes pontos do litoral brasileiro. Em sua cansativa jornada de trabalho, ele visitará também praias do Rio, como Copacabana, Ipanema, Barra da Tijuca e Búzios. Por ironia, o selecionado vem de uma cidade que não é banhada pelo mar.

— Peguei o ônibus ontem (quarta-feira) e cheguei em cima da hora aqui no Rio. Poder conhecer pessoas de diferentes lugares, praias sensacionais do Brasil e gerar conteúdo para redes sociais é o emprego dos sonhos — disse Bely.

Após uma prova teórica e dinâmicas de grupo, Marcel foi um dos dez finalistas escolhidos para as entrevistas individuais.

— Sou muito espontâneo e verdadeiro. Acho que venci porque mostrei como eu realmente sou — acrescentou o publicitário,

Depois de trabalhar muito no Rio, ele vai seguir para o Nordeste, onde buscará dicas de diversão na Bahia, passando pelas praias da capital. De lá, seguirá para Pernambuco, onde verá o que o litoral de Recife tem de bom, e para Fernando de Noronha.

Sem direito a folga, Marcel se deslocará em seguida para o Sul, onde vai percorrer praias do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Em São Paulo, visitará a Praia de Maresias. Mas, antes disso, os fãs da marca de chicletes que contratou Marcel Bely poderão escolher, por meio de votação num site, um destino especial para o "profissional do verão", entre três opções: Socorro, Avaré e Brotas. O dia a dia de trabalho dele e suas descobertas serão relatados nas redes sociais.

Tomara que Marcel Bely tenha mais sorte que o britânico Ben Southall. Durante a estada na Ilha de Hamilton, ele correu risco de vida ao ser picado por uma água-viva dotada de um veneno que poderia ser letal. Para aumentar a sua sorte, foi só um susto.

( De O Globo - 16/3/12 - Veja mais no www.oglobo.globo.com )

sexta-feira, 9 de março de 2012

É tempo de camarão...

Foto Divulgação
BOBÓ DE CAMARÃO

Ingredientes

700 gr de camarão médio limpo
500 gr de aipim cozido
1 vidro de leite de coco
2 colheres (sopa) de azeite de dendê
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 cebola cortada miudinha
4 tomates maduros sem pele e sem semente, cortados em cubinhos.
1/4 de pimentão verde (opcional) sem semente
2 folhas de louro
2 colheres (sopa) de suco de limão
4 colheres de cheiro verde picado
sal e pimenta moída na hora
Fazendo...

Numa travessa coloque o camarão, o tempero verde, meia cebola, o louro, o suco de limão, sal e pimenta e o azeite e deixe tomar gosto por aproximadamente 30 min.
Cozinhe o aipim até amolecer bem, amassando-o em seguida e batendo - ainda quente - em um liquidificador ou processador com um vidro de leite de coco. Caso seja necessário coloque um pouco da água do cozimento.

Em seguida numa panela funda refogue num pouquinho de azeite a cebola restante, acrescente o tomate e o pimentão e continue refogando. Por fim acrescente o camarão temperado. Deixe cozinhar um pouco. Lembre que o camarão cozinha rápido e ele não deve estar totalmente cozido quando for colocado o aipim.

Na sequência incorpore o aipim com o leite de coco. Coloque o azeite de dendê. Faça uma correção de sal e pimenta, se necessário. Deixe cozinhar um pouco para os sabores misturarem.

Acompanhe com arroz e/ou salada.

quinta-feira, 8 de março de 2012

quinta-feira, 1 de março de 2012

Novo ministro da pesca

'Não sei nem colocar minhoca no anzol'
O novo ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella (PSB-RJ), afirmou nesta quinta-feira, em entrevista à rádio Estadão/ESPN, que tem muito a aprender sobre os assuntos ligados à pasta, que será assumida por ele oficialmente na sexta-feira, em substituição ao petista Luiz Sérgio Oliveira. "Eu vou dizer uma coisa muito humildemente: eu não sei nem colocar uma minhoca no anzol", disse Crivella.


O engenheiro civil e ex-bispo da Igreja Universal do Reino de Deus acrescentou que o cargo será um aprendizado, mas que ele possui "o espírito público". Crivella é considerado como uma aposta para ajudar a candidatura de Fernando Haddad (PT) à Prefeitura de São Paulo, apesar da negativa da presidenta Dilma Rousseff em querer se envolver na disputa eleitoral este ano.
Partido do falecido ex-vice-presidente José Alencar, o PRB é um braço político da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), que, além dos milhares de fiéis, controla a TV Record. A presença dos evangélicos no palanque de Haddad ajuda blindá-lo na faixa de eleitorado mais conservador, na qual o PT encontra dificuldades

FAZ MILAGRE?

Frank Maia
Mergulhe fundo no www.xarjincasa.com.br