segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

MISTÉRIOS DO FUNDO DO MAR



Círculos misteriosos no fundo do oceano
No Japão, o mergulhador e fotógrafo Yoji Ookata encontrou formas e desenhos desconhecidos no fundo do oceano, feitos na areia.
Com câmeras posicionadas, o "artista" foi desvendado: um pequeno baiacu, que, utilizando a barbatana, esculpe estes desenhos na areia, usando também pequenas conchas e pedras para enfeitar (e que serão usadas como nutrientes para os filhotes). A fêmea usa os círculos como orientação no fundo da água para encontrar o macho e procriar, e então deposita os ovos no centro do círculo

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

TODA VIDA, SENTADINHO AQUI...

Na caminhada para a "vigia" do Costão, Seo Arante fez uma pequena pausa no banco que costumava sentar todos os dias, olhando o mar da porta de seu bar! 

TEMPO INFORRUSCADO, TRIBUZANA À VISTA!


Foto Fernando Alexandre
Previsão do Tempo 
 (esta semana excepcionalmente do Diário Catarinense)


A previsão de chuva intensa nesta sexta-feira e sábado (acumulados entre 80mm e 160mm) fez a Defesa Civil emitir um alerta. O Estado de Atenção ocorre devido ao risco potencial de enxurradas, deslizamentos e alagamentos especialmente no Litoral e Vale do Itajaí.

A entidade também alerta para o perigo à navegação. O vento sul persistente e com intensidade moderada e forte por alguns momentos (entre 60 e 80km/h) deixa o mar alterado com ondas mais altas, com altura de série entre 1 metro e 1 metro e meio e os picos mais altos entre 3 metros e 4 metros, trazendo risco para atividades de pesca e navegação na costa catarinense.

Na madrugada e manhã desta sexta-feira, a chuva será forte e persistente na Grande Florianópolis, Litoral Norte e Vale do Itajaí com acumulados entre 60mm e 80mm. Pela manhã, alguns bairros e localidades podem apresentar em pouco tempo valores próximos e superiores aos 60 ou 80mm previstos para região.

No decorrer da tarde, a chuva persiste no Litoral Sul com menos intensidade e pode sessar no Oeste e Meio Oeste com o avanço de uma massa de ar mais seco pelo oeste do RS.

Durante o sábado ainda há condições de chuva isolada e menos significativa (entre 5mm e 15mm) na maior parte do Estado, permanecendo mais concentrada no Planalto Norte e Litoral Norte com volumes entre 30 e 60mm.

(Do Diário Catarinense e Defesa Civil)

MORTE NO MAR

Foto Danirel Conzi/Agência RBS

Peixe mero é encontrado na Beira-mar Norte em Florianópolis
Animal corre risco de extinção e é protegido por lei desde 2002

Um peixe conhecido como Mero apareceu morto nesta quinta-feira de manhã na Beira-mar Norte em Florianopólis. O animal marinho, que media 2,5 metros de comprimento e pesava mais de 200 kgs, foi localizado por volta das 9 horas, perto da Escuna Sul. Devido ao tamanho, o animal está sendo retirado do mar pela Companhia de Coleta de Lixo e será encaminhado para a Polícia Ambiental.

O aparecimento do peixe chamou a atenção de pesquisadores ter risco de extinção. Uma equipe do Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul do Brasil, de Itajaí, foi mobilizada e iria recolher amostras para determinar a causa da morte. Também foram acionados profissionais do Projeto Meros do Brasil.

As hipóteses para a morte do peixe são de que um anzol grande tenha perfurado algum órgão, de que a poluição do mar tenha afetado a saúde do animal, de tenha sido pego por uma rede ou que ar tenha entrado no pulmão.

O mero é um peixe que costuma ser encontrado em águas rasas de áreas de coralinas ou rochosas. Vive sozinho e é considerado territorialista. Apesar de ser da costa do Nordeste do Brasil, tem rota pelo Sul.

Desde setembro de 2007 está proibida a pesca, captura, transporte e comercialização do mero pela portaria 121/2002 do Ibama. Quem for pego infringindo alguma destas regras pode ser multado de R$ 700 a R$ 1 mil ou receber detenção de 1 a 3 anos para pescadores.


Pesquisador do Projeto Meros do Brasil explica por que espécie está ameaçada de extinção
Uma fêmea de mero, prestes a desovar, foi encontrada morta na Baía Norte, em Florianópolis

Por Júlia Antunes Lorenço

julia.antunes@diario.com.br
Encontrado morto na tarde desta quinta-feira, em Florianópolis, o mero surpreendeu até mesmo os pesquisadores do Projeto Meros do Brasil. O estudioso Maurício Hostim foi um deles, que ficou admirado com o animal — o maior já visto pela equipe. 

Hostim é professor da Universidade Federal do Espírito Santo e fala sobre a raridade dos meros no Oceano Atlântico e explica por que é proibido pescar esses peixes.

DC — Por que a pesca foi do mero foi proibida?

Maurício Hostim — Se olhar os antigos materiais, pescar o mero era muito comum. Mas os próprios pescadores começaram a nos questionar que o mero estava desaparecendo no nosso Litoral. Eles têm uma agregação reprodutiva, quando os meros se reúnem para se reproduzirem. Eles ficam muitos vulneráveis à pescaria e fazem com que as pessoas saibam os locais e a data onde eles estarão. As pessoas mapeavam e encontravam vários desses animais, acabavam matando antes da desova. Em 2002 foi a primeira portaria de proibição, prorrogada por cinco anos, a segunda foi em 2007 também prorrogada por cinco anos, e a terceira veio neste ano, mas foi prorrogada por três anos.

DC — Ainda é ameaçado de extinção?

Hostim — Ainda está em extinção sim. Foi feita uma avaliação internacional e no mundo inteiro o mero está como criticamente ameaçado. Se passar deste nível, ele está extinto da natureza. Depois só sem laboratórios ou cativeiros.

DC — Mas é possível saber quantos exemplares existem?

Hostim — Não tem dado suficiente para isso. É um animal que vive 40 anos e precisa melhorar tecnologia, para avaliarmos o estoque. Essas tecnologias começamos a usar de 2007 para cá, com a apoio da Petrobras Ambiental, que está nos fornecendo recursos financeiros para aplicar novas tecnologias. Estamos começando a crescer agora. Mas temos tido boa receptividade da comunidade. As pessoas acham mais interessante bater foto dele embaixo da água, porque é muito mais raro. Trocar a imagem de matador do pela de contemplador.

(Do DIÁRIO CATARINENSE - www.diario.com.br)

O SOLITÁRIO SENHOR DAS PEDRAS

Foto Divulgação/Meros do Brasil
 O mero é encontrado nas águas da Flórida a Santa Catarina. Numa das línguas indígenas do Brasil, o tupi-guarani, foi batizado de Senhor das Pedras – Itajara – pois abriga- se na escuridão do mar, próximo aos naufrágios, pilares de pontes e rochas. É um solitário.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

ADEUS, ARANTE!





Fotos Andrea Ramos

A despedida de Seo Arante encheu de emoção a praia do Pântano do Sul.
Foram muitas as homenagens : na Igreja, na porta do bar do Arante e no jazigo da família.
 Manezinho muito querido e respeitado em toda a Ilha de Santa  Catarina, especialmente na comunidade onde viveu seus 77 anos, Arante José Monteiro foi fundador do  Bar e Restaurante do Arante,  conhecido mundialmente.
Era filho de Zé Gancheiro, um dos pescadores mais antigos da praia  e foi casado por  mais de 50 anos com a doce Dona Osmarina. Pai do  Arantinho, Amarildo, Armando, Amarante, Alan, Sérgio e Marcelo. E amigo de centenas de outras pessoas,  para quem a praia do Pântano do Sul nunca mais vai ser a mesma.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

UM MANEZINHO CHAMADO ARANTE!

Foto Andrea Ramos
E VIVA O DEDÉ!

"Essa gente da cidade não é "manezinho."
Nos meus tempos de guri "manezinho"era o tolão, mal arrumado, de tamanco no pé.
E naquele tempo ninguém gostava de ser chamado de "manezinho."
Hoje é que virou moda."
Arante José Monteiro, 15/04/1937 - 25/12/2012

E VIVA O DEDÉ!

Foto e montagem Andrea Ramos


Arante José Monteiro, 15/04/1937 - 25/12/2012

sábado, 22 de dezembro de 2012

MAR DE TODOS

Foto Andrea Ramos
Quirino Simião Borges, 47 anos, nascido e morado na Praia do Saquinho, no Sul da Ilha de Santa Catarina. É pescador, pedreiro, músico e dono do Restaurante do Saquinho, onde sempre serve o peixe que pesca, é casado com a Marli e pai do Eduardo e do Ricardo. Seus pais, Simião e Inácia, foram um dos primeiros moradores do lugar.

MAR DE VERÃO



Foto Flávio Neves/Agência RBS
Pescador vende peixe para turistas na praia de Canasvieiras, em Florianópolis

Além de comercializar, ele também limpa o animal no meio da praiaUma cena um tanto inusitada indignou alguns turistas e despertou curiosidade em outros, na manhã desta sexta-feira na praia de Canasvieiras em Florianópolis.

 Um pescador achou um jeito diferente de vender os seus peixes e a fórmula deu certo. Ele levou os animais para a praia e vendia próximo às ondas. Quem comprasse, ainda levava o bicho limpo.
—Limpar o peixe facilita a venda—, disse Augusto Klingelfus. 
Mas ver escamas e vísceras jogadas na areia não agradava alguns banhistas. Teve gente que reclamou dizendo que os pedaços eram lixos. Já outros achavam a cena curiosa e até fotografavam. Alguns ainda levavam alguns quilos.
— Isso vira comida para o peixe—, explicou o pescador apontando para os restos levados pelas ondas.
E completou:
—Isso aqui não é lixo. Tem coisa que é bem pior.

A explicação de Augusto para o método de venda é que o rancho dos barcos fica próximo e não há espaço para fazer a limpeza. A única opção para ele foi usar a praia. O método deu tão certo que apenas de manhã já havia vendido mais de 90 quilos de parati, peixe pequeno normalmente tirado do mar por rede de arrasto ou tarrafa, pescada ainda na madrugada desta sexta.

(Do DIÁRIO CATARINENSE - www.clicrbs.com.br)

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Foto Rodrigo Garcia Lopes
MANASOTA KEY

Nas páginas do mar
pelicanos em linha
escrevem as sombras de seus peitos
ao quase tocarem uma onda.
O sol rascunha rubros
bilhetes de despedida, toda tarde.
Golfinhos, suas barbatanas
relatam os rudes caminhos
pela pradaria das baleias.
Mergulhões redigem sua escrita kamikaze,
suicida, invisível por instantes.

Nas páginas da areia
(cujas conchas são suas obras completas)
fósseis negros de dentes de tubarão
escrevem a autobiografia
de dois milhões de anos.
Rastro de guaxinim,
seu romance de aventura
da duna à estrada.
Um siri deixa sua assinatura
sobre marcas de pneus de um SUV.
Garrafa com uma mensagem, um pen drive
com a história de um naufrágio.

Nas páginas do céu
nuvens ancestrais e sempre-novas relatam
suas viagens sobre o mundo, infinitas.
Furacões emplacam best-sellers
sobre o Golfo do México
enquanto folhas de outono caligrafam no ar
ideogramas precisos,
memórias do vento.
Satélites traçam haicais de luz.
A lua amarelo-limão descreve seu brilho solene
sobre as palmeiras da Flórida.

Eu não escrevo nada.


Rodrigo Garcia Lopes
(dezembro de 2012, The Hermitage Artist Retreat, Manasota Key, Flórida)

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

SEM MAR...



 MAR... QUE FALTA, exposição ao ar livre que ocupa o Largo Victor Meirelles de 17 a 21 de dezembro. Todos os dias, ao anoitecer, uma programação com performances, música e audiovisuais. Artistas participantes: Bruno Ropelato, Clara Fernandes, Clélia Mello (concepção do projeto Mapeando a Ilha), Coletivo Instagramapolis (organização André Paiva), Edmilson Vasconcelos, Flávia Fernandes, Grupo FORA, Ledgroove, Luciano Boletti, Maurício Muniz, Marlon Aseff (diretor do filme "Caminhos de Valda"), Raquel Stolf, Paulo Bruscky e Zuleika Zimbabue.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

EM PÂNTANO DO SUL, DEZENOVE HORAS!


Tarde indo,
a noite sendo...

Clique aqui e veja mais, online!

PRIMEIRAS LULAS

Primeiras lulas desta temporada já começam a aparecer nos "cercos" - redes fixas - do Pântano do Sul.
Estas acabaram de sair das redes do mestre Aldemir e foram diretas para a cozinha do "chef" Fábio da Lapa para serem servidas no restaurante e petiscaria "Capitão Ademir".
Com o calor e o aquecimento das águas provocado pelo vento Sul, os primeiros cardumes já devem estar chegando para a alegria de todos!

MAR DE VERÃO

Foto Flávio Neves/Agência RBS
Empresas alugam barcos e lanchas para passeios nas praias de Santa Catarina
Os preços variam de R$ 180 a hora até R$ 10 mil a diária. O serviço oferece condutor

por Júlia Antunes Lorenço
julia.antunes@diario.com.br
Os prazeres de um dia em alto mar sem o incômodo e o custo de manutenção com lancha. Definir o próprio roteiro, parar e mergulhar onde e quando deseja, ainda que não tenha um barco. Isto é possível graças a empresas de aluguel de embarcações, que oferecem o serviço durante e fora da temporada de verão.

O empresário de Florianópolis, Glenio Marcelo Mundim, aluga desde 1997. Começou com veleiros, para os argentinos, que sempre gostaram de velejar. Depois da crise, em 2001, diminuiu o número de hermanos e o empresário partiu apenas para o aluguel de lanchas.

A maioria de sua clientela costuma ser famílias e turistas. Mas o empresário observa que, neste ano, aumentou a procura entre os próprios moradores da cidade.

— De seis meses para cá, Floripa está descobrindo a lancha. Até então, eram só pessoas de fora — observa.

Ele tem 13 lanchas, que podem comportar de nove a 15 pessoas. Com preços que vão de R$ 2,5 mil para a R$ 10 mil para uma diária das 10h às 18h, é possível alugar lanchas para passeios mais familiares, festas de empresas, ou para uma ida às baladas em alto-mar como as de Tinguá, em Governador Celso Ramos.

A bebida está liberada para a tripulação. Os passeios são conduzidos por um piloto habilitado. Mesmo que a pessoa tenha a habilitação, ela não será autorizada a pilotar. O valor pago inclui refrigerante, cerveja e espumante.

Pelas águas calmas da Lagoa da Conceição

Dos alpes suíços para a beira da Lagoa da Conceição, o empresário Dieter Pfister viu nas águas calmas, um negócio. Há 9 anos, faz passeios de barco ou aluga a embarcação para grupos fechados. Uma opção para conhecer as praias do Leste de Florianópolis e fazer passeios mais ecológicos, como chegar perto da natureza preservada do Morro dos Macacos.

Dieter e sua esposa Annemaria, que é holandesa, trazem na bagagem a experiência de terem navegado pelas águas da Suíça, da Holanda e da Grécia. O casal domina ainda quatro línguas: português, inglês, holandês e alemão.

O barco é um traineira adaptada para passeios. Ele aceita até 24 pessoas, mas pode levar só um casal, se a ideia for um programa romântico. O valor é de R$ 180 a hora. Quem preferir, pode embarcar em um das rotas já programadas, com preços variados.



O condutor é o próprio Dieter, que tem toda a habilitação necessária. A tripulação pode levar comida e bebida a vontade ou aceitar uma das sugestões do suíço, como um almoço à beira do canal da Barra da Lagoa.

Mesmo vindo do outro lado do oceano, o casal dá dicas das vistas imperdíveis da região e falam sobre a cultura local.

Os passeios podem durar uma hora, ou até oito. O barco é coberto e só não sai se chover muito. As águas da Lagoa são tranquilas para a navegação, e dificilmente o vento, Sul ou Nordeste, irá atrapalhar.

O ponto de partida é o final da Avenida das Rendeiras, onde o barca fica. Dieter diz que costuma reservar o barco para confraternizações de empresas, casais e aniversários.

Embarque

EMPRESA: ALUGUEL LANCHA
www.aluguellancha.com.br
Telefone:  (48) 9960-7002 / 9981-7012
Sem ponto fixo
Preço do Aluguel: de R$ 2,5 mil a R$ 10 mil
É recomendado ligar antes, para reservar
Diária das 10h às 18h

EMPRESA: ONDANÇA
www.ondanca.com
Telefone:  (48) 3232-1965 / 8803-3772
Av. das Rendeiras - altura 2.150 - Lagoa da Conceição
R$ 180 por hora
É preciso fazer a reserva e pagar 50% do valor antecipado

(Do DIÁRIO CATARINENSE - www.clicrbs.com.br)

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

OLHO GRANDE - AO VIVO

Segunda-feira ensolarada e com ventos fracos soprando do Sul no Pântano do Sul! 
Passando pouco mais das 8 da manhã, a praia deserta é dos barcos, gaivotas e pescadores!


Clique aqui e veja mais, online!

OS FAROIS DO RIO


Foto Marcos Porto/Agência RBS
O charme dos faróis que orientam os navegantes no Rio Itajaí-Açu
Indispensáveis à navegação, a figura alta e esguia do farol chama a atenção de turistas

Pontos de luz em meio à escuridão do mar, os faróis são, para os navegadores, uma luminosa lembrança de terra firme. Em tempos de tecnologias avançadas, a figura alta e esguia do farol continua fazendo parte da vida de quem enfrenta os mares, como um porto seguro. Faróis são instrumentos indispensáveis à navegação especialmente em regiões onde a atividade é intensa, como Itajaí e Navegantes. Românticos e bucólicos, estão instalados nos molhes, brindados com o estourar das ondas a todo o instante.

Em Navegantes, os faróis são vermelhos. Em Itajaí, verdes, seguindo padrão internacional de sinalização marítima. Ambos recebem iluminação da mesma cor da pintura. Com o entardecer, as luzes se acendem automaticamente, ficando mais fortes na escuridão. Boias das mesmas cores indicam o local por onde as embarcações grandes devem entrar, como uma espécie de meio fio.

_ Isto evita acidentes porque as tripulações conseguem ver a luz do farol de muito longe. Aqui nunca houve um acidente _ explica o presidente da Colônia de Pescadores de Itajaí e pescador há quase 50 anos, Afonso Martins.

Centenário

Além dos molhes, Itajaí também conta com um farol centenário, localizado no Morro de Cabeçudas. Conforme informação do arquivo histórico municipal, o farol foi inaugurado no dia 15 de novembro de 1902. Após parar de operar foi aberto à visitação pública, mas o acesso foi impedido pela Capitania dos Portos há 10 anos por conta dos constantes ataques de vândalos. Desde então, o farol permanece fechado.

(Do O SOL DIÁRIO - www.clicrbs.com.br)

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

SEXTA-FEIRA É DIA DE MUDANÇA

Zenaide Maria da Lapa, a "Comandante" do Restaurante "Pedacinho do Céu", pescadora de praia e costão, é quem faz a previsão do tempo para este final de semana, 14/15 e 16 de dezembro, no Pântano do Sul.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

MAR DE MERDA

Foto Fernando Alexandre
Foz do Rio Sangradouro - Armação do Pântano do Sul

Litoral catarinense abre temporada com 43 pontos impróprios para banho
Com o início do verão, um novo relatório de balneabilidade será divulgado a cada semana pela Fatma
por Joice Bacelo
joice.bacelo@diario.com.br
Conforme relatório divulgado pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma), o litoral catarinense vai abrir a temporada com 43 pontos impróprios para banho - quantidade que representa 20% dos 195 pontos analisados. A maioria se concentra nas praias da Capital, onde apenas 55% do esgoto (principal problema da balneabilidade) é tratado.

Durante todo o ano a divulgação da análise de balneabilidade é feita mensalmente. Porém, a partir de agora, início da temporada, os relatórios passam a ser semanais. Além das placas informativas que são fixadas nos locais, os veranistas podem ter acesso às informações no site da Fatma. No portal, são informados os últimos cinco relatórios e o endereço de cada ponto, com foto.

Onde estão as praias impróprias:

Balneário Arroio do Silva - dos quatro pontos analisados, um está impróprio para o banho, na foz do Arroio do Silva.

Balneário Camboriú - dos 14 pontos analisados, dois estão impróprios. Um fica na Praia de Taquaras e o outro na Praia do Balneário Camboriú.

Barra Velha - dois pontos foram apontados como impróprios. Um fica na Lagoa de Barra Velha e o outro na Praia da Barra Velha, em frente à rua Antônio Moura.

Florianópolis - 17 pontos estão impróprios para banho. Cinco estão localizados na Lagoa da Conceição. Nas praias da Armação, Beira Mar Norte, Praia da Saudade, Tapera, Canasvieiras, Ponta das Canas, Balneário, Bom Abrigo, Jardim Atlântico, José Mendes, Praia do Matadouro, Praia do Meio e Ingleses existe, pelo menos, um ponto impróprio.

Garopaba - na Praia de Garopaba existe um ponto impróprio para banho.

Governador Celso Ramos - Dos 11 pontos analisados, dois foram apontados como impróprios, os dois na Praia da Fazenda da Armação.

Içara - existem dois pontos impróprios para banho, ambos na Praia do Rincão.

Itapema - são cinco os pontos impróprios, todos da Praia de Itapema.

Laguna - um ponto, localizado na prainha do Farol, foi considerado impróprio para banho.

Navegantes - na Praia de Navegantes um ponto está impróprio.

Penha - há três pontos impróprios, dois na Praia da Armação do Itaporocói e outro na Praia de São Miguel.

Porto Belo - são quatro pontos impróprios para banho. Dois ficam na Praia de Perequê e os outros dois na Praia de Porto Belo.

São José - na Praia de Guararema há um ponto impróprio.

(Deu no DC - www.clicrbs.com.br)

ÚLTIMO LANÇO

Foto Jean Raupp
Seo Ataide (de boné branco) deixou sua presença gravada nas areias, nos barcos, nas escamas prateadas das tainhas e no coração de todos os camaradas do Pântano do Sul!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

LÁ EM CIMA, NA GRANDE VIGIA



Foto Jean Raupp
Seo Ataíde (de boné branco) e os companheiros de toda uma
vida passada na praia do Pântano do Sul.

Foto Andrea Ramos

Tia Maria numa das últimas safras, recebendo o seu quinhão.
Pântano do Sul amanheceu cinza e um pouco mais triste neste 12 de 12 de 2012!
Seo Ataide e a Tia Maria( foto acima) partiram e estão navegando rumo a "grande vigia"!
Seo Ataíde, 91 anos, deixa sua companheira, D. Mafalda e cinco filhos.
Tia Maria Monteiro, filha de um dos mais experientes patrões de canoa na pesca da tainha, o Zé Gancheiro, e a irmã mais velha do Seo Arante, nasceu e viveu seus 98 anos na praia.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

MINUTO

Mar de Manasota Key, Florida/Foto Rodrigo Garcia Lopes
lá vem você
se passando por vento
como se ninguém te visse
lá vem você dublando pensamento 
como uma praia que sentisse

pra perto do riso, do risco, do início 
das ondas, das dunas do espanto,
lá onde o calar fala mais alto
e onde o momento comemora 
com um minuto de silêncio.

Rodrigo Garcia Lopes
 (em Visibilia, 1996, primeira edição, Sette Letras, segunda edição, 2004, Travessa dos Editores)


PÂNTANO DO SUL - AO VIVO

Nove horas desta manhã com nuvens,a praia é somente dos barcos!

Clique aqui e veja mais, online!

sábado, 8 de dezembro de 2012

ORA IÊIÊ Ô ! - SALVE OXUM NO SEU DIA

 Oxum , orixá feminino que recebeu o nome de um rio da nação Ijexá, na Nigéria.
 Graciosa mãe das águas doces, dos rios e cachoeiras, da riqueza, do amor, da prosperidade e da beleza. 
Adotada e  cultuada em todas as religiões afro-brasileiras, onde foi sincretizada com diversas Nossas Senhoras, entre elas Nossa Senhora das Candeias, Nossa Senhora dos Prazeres, Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora da Conceição.

O QUE VAI DAR NO FIM-DE-SEMANA?


Na praia e no mar do Pântano do Sul desde os 12 anos de idade, onde nasceu e vive até hoje, Célio Alípio é um dos pescadores mais experientes e ativos da região. Sempre de olho no céu, no mar e nos ventos ele sempre sabe o que vai dar no tempo daqui! Na sufocante tarde de ontem, quando os termômetros chegaram aos 41 graus, Célio fez a previsão de como será o fim-de-semana!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

OSTRAS E OSTRAS COISAS NO RIBEIRÃO

Foto Divulgação

O 1º Festival de Ostras começa nesta sexta-feira

Hoje às 19:00 até 9 de dezembro às 20:00

Av. Baldicero Filomeno, 2008 Condomínio Portal do Ribeirão, Ribeirão da Ilha - Florianópolis | Próximo ao campo de futebol Santa Cruz.

O 1º Festival de Ostras começa nesta sexta-feira (07), até domingo (09), em Florianópolis. O evento ocorre no Ribeirão da Ilha tradicional bairro açoriano da Capital com shows musicais, apresentações culturais e muita gastronomia do Ribeirão.

Além de ser um atrativo turístico, o evento deve diminuir o prejuízo dos produtores com o cancelamento da Fenaostra.

A festa é uma promoção da Associação dos Maricultores, com o apoio do Grupo RIC e da Secretaria de Agricultura do Estado.

Os ingressos serão vendidos a R$ 5,00 e crianças com até 12 anos não pagam. A abertura é nesta sexta-feira, às 19h. No sábado e no domingo, a festa começa às 10h.

Veja programação completa

Clic que cresce!