quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Descansando no Sul

Foto Edmilson Lello
Um jovem lobo marinho foi avistado na areia na manhã de terça-feira em uma praia do Sul da Ilha, em Florianópolis. O macho da espécie Arctocephalus tropicalis está em boas condições, possivelmente descansando de uma viagem migratória.

O animal subantártico pode ter pego uma tempestade em alto mar e procurado refúgio em uma praia de Florianópolis para repor as energias para continuar sua rota. Eles costumam ir para a terra firme apenas para descansar ou para reprodução.

De acordo com o sargento Marcelo Duarte, da Polícia Ambiental, ele deve ter vindo na corrente marítma das Malvinas, que traz as águas geladas durante o inverno, e é repleta de alimentos.

O mamífero marinho foi visto pela primeira vez na sexta-feira, mas teria voltado para água com medo dos curiosos que foram à praia para vê-lo. Ele teria voltado no domingo e escolhido um local mais deserto para dormir.

O local do descanso do animal não foi divulgado pelo Diário Catarinense a pedido da Polícia Ambiental.

— Quanto menor o contato com pessoas e outros animais, como cachorros que ficam na praia, melhor. A medida é para evitar a transmissão de doenças, que depois podem ser levadas para as colônias — afirma Marcelo Duarte.

Conhecendo o Lobo marinho

Espécie: Arctocephalus tropicalis
Idade: cerca de 5 anos
Tamanho: aproximadamente 1.20m
Peso: cerca de 60kg
Hábitos alimentares: peixes e lula

(Do Diário Catarinense - www.diario.com.br )

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Deixe as baleias namorarem!


Foto Marcelo Sayão/Efe
 Para protestar contra a exploração de petróleo no arquipélago de Abrolhos, no extremo sul da Bahia, a organização não governamental Greenpeace promoveu um ato no Rio nesta terça-feira.
Em uma apresentação cênica, na torre de escritórios do shopping Rio Sul, na zona sul, ativistas vestidos de baleia foram pintados com jatos de tinta preta, representando o petróleo.
Os ativistas tomaram o hall de elevadores na entrada da torre, que dá acesso à companhia Perenco, dona de blocos de óleo em Abrolhos.
O objetivo do Greenpeace é chamar a atenção para a extração de petróleo dentro do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, escolhido pelas baleias-jubartes principalmente para a reprodução.
Com faixas e cartazes com os dizeres "Perenco, deixe as baleias namorarem", o protesto, que sujou de tinta o hall de elevadores do Rio Sul, contou com o apoio das pessoas que estavam no prédio.
(Da Agência Brasil) 

 

NO CAMPECHE

Foto Luciana Stocco
Quatro baleias Francas foram avistadas na manhã de hoje, terça-feira 30 de agosto na praia do Campeche, Sul da ilha de Santa Catarina. As duas fêmeas com dois filhotes foram descobertas por volta das 10 da manhã e até meados da tarde ainda continuavam na região.
Essa foi pelo menos a quarta avistagem de baleias na ilha da Santa Catrina  neste mês em que baleias aparecem no Litoral Catarinense. No dia 15, duas  baleias foram avistadas no Inglêses Quatro dias antes, uma baleia franca e um filhote da mesma espécie passaram pelo Pântano do Sul. Em 7 de agosto, um filhote de baleia franca de 5,5 metros encalhou em Laguna. 

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

TEM CINEMA NO MAR

Associação dos Pescadores Artesanais do Campeche e Fundação Franklin Cascaes,
Cineclube Dona Chica
Sábado, 27 de agosto de 2011, 18h – ENTRADA FRANCA
A segunda sessão do Cine Dona Chica terá seu foco no DOCUMENTÁRIO. Integrando as comemorações em torno do Dia do Documentário, Brasil afora, o mais novo cineclube não poderia ficar de fora. Dia 7 de agosto foi escolhido pela ABDN – Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas nacional como o Dia do Documentário.
Para tanto selecionamos dois filmes que irão trazer ao debate os costumes, tradições e o modo de vidas dos moradores do litoral catarinense. Uma busca no entendimento das raízes açorianas.
•Farra do Boi (Zeca Pires e Norberto Depizzolati), (SC /26’/1991)
Documentário sobre a brincadeira com o boi, típica do litoral de Santa Catarina. É composto de quatro partes: "Origens", "Preparativos", "Tribunal" e "Farra" que conta e mostra a história desta manifestação cultural trazida para o estado pelos imigrantes açorianos, no século XXVIII.
Pesca da Tainha, de Ademir Damasco, (SC/52’/2007)
Retrata o dia a dia de um rancho de canoa na época da pesca da tainha. O documentário é dividido em 4 partes:
1ª parte – o pedido: Antes de começar a pesca é feita uma missa no rancho de canoa, onde a comunidade participa e reza para que a safra seja boa.
2ª parte – a espera: Mostra a vigília para a localização dos cardumes; pescadores colocam-se em pontos estratégicos.
3ª parte – a captura: Os vigias localizam os cardumes, fazem sinais característicos para seus companheiros e orientam o cerco. Começa a ação estratégica para a captura.
4ª parte – a confraternização: A parte final do documentário registra a confraternização dos pescadores. É hora de comer um caldo de tainha.
O QUE: Sessão do Cineclube Dona Chica “Documentário”
QUANDO: sábado 27 de agosto, às 18h.
ONDE: Rancho da Canoa, final da Avenida Pequeno Príncipe, na praia do Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil
QUANTO: Entrada Franca
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: Livre
UMA REALIZAÇÃO: Associação dos Pescadores Artesanais do Campeche e Fundação Cultural Franklin Cascaes.
APOIO: Funcine, Cinemateca Catarinense ABD/SC e Rádio Comunitária do Campeche.
CONTATOS: cinecampeche@gmail.com, Sofia Mafalda (48) 9125.5306, Luis Prates (48) 9123.8851 e Seu Getulio (48) 9124.6978

terça-feira, 23 de agosto de 2011

MAR GRANDE, TEMPO RUIM

Foto Fernando Alexandre
O mar permanece muito agitado no litoral catarinense, com picos de onda de 3 a 4 metros até a quinta-feira e risco de ressaca. A Epagri Ciram alerta que as condições são desfavoráveis às atividades de pesca e navegação de pequenas e médias embarcações.

sábado, 20 de agosto de 2011

VOLTA À ILHA, A NADO


Foto SETUR

 Marcelo Balvoa, 47, finalizou neste sábado (20) a volta à ilha a nado, prova inédita realizada em torno da Ilha de Florianópolis. O guarda-vidas iniciou o desafio ao lado da também guarda-vidas Lia de Andrade Silva, 21, que desistiu depois de completar um dos trajetos mais díficeis: entre a Lagoinha do Leste e o Pântano do Sul.
Durante os mais de três meses de duração da aventura, os nadadores enfrentaram o frio do inverno, correnteza e situações adversas do mar. Além disso, passaram por dificuldades e tiveram que nadar, muitas vezes, mais de três horas sem parar. Nos trechos de mar aberto, no Sul da Ilha, Marcelo contou com o apoio de barcos de pesca para qualquer imprevisto.

(Com informações do ND)

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

MAR GRANDE

Foto Fernando Alexandre  

O mar deve ficar agitado no Litoral Catarinense durante o fim de semana, com previsão de picos de ondas de até 3 metros no domingo, conforme informações da Epagri / Ciram — órgão que monitora as condições climáticas no Estado. Há risco de ressaca entre Passo de Torres, no Extremo-Sul do Estado, e Florianópolis.

Com as ondas elevadas, a Epagri / Ciram informa que as condições serão desfavoráveis para as atividades de pesca e navegação de pequenas e médias embarcações.

TUBARÕES: ATAQUES AUMENTAM

Foto EFE/BBC
Ataques de tubarão estão aumentando em todo o mundo. De acordo com a International Shark Attack File (ISAF), foram registrados 115 incidentes com tubarões, sendo que 79 deles consistiram em ataques ocorridos nos habitats naturais dos tubarões sem que os animais tivessem sido provocados por humanos. Para se ter uma idéia, em 2009 foram 63 ataques não provocados.

A ISAF contabiliza os relatos de ataques de tubarões em todo o mundo desde o século 16. Ao todo foram 2.320 ataques relatados. Os Estados Unidos são o lugar onde mais ocorreram estes incidentes com 1049 casos, sendo 44 fatais. No segundo lugar está a Austrália com 417 casos, sendo 131 fatais, seguido pelo continente africano com 299 casos (78 fatais). Na América do Sul foram 101 ataques (23 fatais).

De acordo com o relatório da ISAF o aumento da interação de tubarões com humanos está relacionado com o aumento do tempo que os humanos passam no mar. “Como a população e o aumento do interesse em atividades aquáticas é esperado o crescimento no número de ataques de tubarões”, afirma o relatório.

A ISAF afirma que a população de tubarões está em declínio em muitas pastes do mundo por causa da sobrepesca, perda de habitat, o que teoricamente diminuiria o número de ataques. No entanto, não é o que os índices estão mostrando.

Nesta semana, duas pessoas ficaram feridas em uma praia de Primorie, no extremo oriente russo. De acordo com especialistas da região, não há precedentes na região. Um britânico que passava a lua-de-mel nas Ilhas Seychelles, no Oceano Índico morreu na quarta-feira (17) após perder o braço devorado por um tubarão. De acordo com testemunhas, o local também teve um ataque parecido há pouco mais de duas semanas. Um francês teria sido morto no incidente anterior. O ISAF recomenda, no caso de um ataque, bater no nariz do peixe, pois isto restringe seu ataque, abrindo espaço para fugir da água.
(Do portal IG)

AO VENTO...


Tudo pronto para a primeira Corrida de Canoa a Vela – Travessia Baía Norte – De Ponta a Ponta, que acontece neste domingo (21.8), pela manhã, com largada da Ponta do Leal (Continente) e chegada na Ponta do Sambaqui (Sambaqui, Ilha de Santa Catarina).

Caso o vento não seja favorável a largada será feita na Ponta do Sambaqui, até a Ponta do Leal (neste caso as canoas serão rebocadas de volta a Sambaqui para a solenidade de premiação, almoço e apresentações musicais). O grupo Gente da Terra abre a programação às 13 horas. Depois se apresentam as bandas Sambará e outras.


O evento é organizado pelas entidades comunitárias do distrito de Santo Antônio de Lisboa (Sambaqui, Barra do Sambaqui, Cacupé e Santo Antônio) e Associação de Canoa a Vela da Costa da Lagoa, com o apoio da Prefeitura de Florianópolis.


Confira abaixo todas as informações sobre a Corrida.


Olho no tempo

Os organizadores da Corrida estão apreensivos com relação ao tempo e monitoram os institutos de previsão. O Ciram (Epagri), por exemplo, trás previsões alarmantes: fortes chuvas entre esta quinta-feira (18.8) e sexta (19.8) e no sábado (20.8) a chegada de um frio polar com ventos de SW/S entre 50 e 80 km/h. O sol volta no domingo (21.8), “mas gelado”. O Ceptec-INPE destaca a chegada do frio no sábado (20.8) com um Estado de Atenção. Em outro Aviso Meteorológico o mesmo órgão indica Estado de Atenção para as fortes chuvas que devem se concentrar na região Oeste catarinense.

CORRIDA DE CANOA A VELA
TRAVESSIA BAÍA NORTE - DE PONTA A PONTA
21 DE AGOSTO DE 2011

INSTRUÇÕES DE CORRIDA – REGRAS


1. Só participarão da competição canoas-de-um-pau-só.

2. O tamanho da vela é livre assim como o tecido da vela é livre, mas deve ter o formato clássico, quadrangular.

3. O governo da canoa poderá ser feito tanto com remo quanto com leme.

4. As canoas só podem ter com no máximo dois tripulantes.

5. Não pode ser usado lastro de nenhuma espécie, como saco de areia ou outro.

6. É obrigatório o uso de colete salva-vidas por todos os tripulantes.

7. A juria da prova – árbitro e seus auxiliares - será feita pela Comissão Organizadora

8. Nenhum tripulante menor de idade poderá competir sem a devida declaração de responsabilidade assinada pelos pais ou responsáveis.

9. O percurso será a travessia da Baía Norte: da Ponta de Sambaqui à Ponta do Leal

- Com ventos do quadrante Norte : largada Ponta do Sambaqui – chegada na Ponta do Leal

- Com ventos do quadrante Sul: largada na Ponta do Leal – chegada na Ponta do Sambaqui

10. Em caso de largada na Ponta do Leal (vento sul) as canoas de Sambaqui serão rebocadas até o Continente pelos barcos de apoio da Comissão Organizadora.

- Cada canoa que completar a travessia receberá uma ajuda de custo no valor de R$ 80,00

- Em caso de impedimento técnico ou de segurança para alguma canoa durante o percurso a Comissão Organizadora e o Árbitro decidirão se a canoa continua ou não classificada (ajuda de custo) .

- O percurso será de cerca de 6,5 milhas náuticas ou 12 Km.
+

Largada

Largada autorizada a partir das 10:30 HORAS na Ponta do Sambaqui

Largada autorizada a partir das 11:00 HORAS na Ponta do Leal

- Todas as canoas alinhadas na areia com sua tripulação pronta para embarcar

1º sinal sonoro – buzina - aviso de 10 minutos para a largada

2º sinal sonoro - buzina - aviso de 5 minutos para a largada

3º sinal sonoro - buzina - aviso de 1 minuto para a largada

4º sinal sonoro – buzina - largada

- Percurso livre até o outro lado da Baía – sem bóias ou marcações.
+

Segurança e disciplina

* Haverá barcos de apoio em todo o percurso, incluindo apoio do bote do Corpo de Bombeiros e Capitania dos Portos.

*A Capitania dos Portos através de seus canais oficiais emitirá um Aviso aos Navegantes comunicando a realização da travessia e alertando de que embarcações lentas e de manobrabilidade limitada estarão na Baía Norte nesse período.

*As condições climáticas – condições de segurança - poderão alterar tanto o percurso como também cancelar a travessia – decisão que ficará a cargo da Juria da Prova – árbitro de prova e seus e auxiliares.

*Todo participante deve contribuir para o espírito esportivo, de camaradagem e de ética no mar.

*Comportamentos considerados pela Juria de Prova como inapropriados ao espírito do evento desclassificará a canoa, sem direito à ajuda de custo.

*A Juria de Prova é soberana e suas decisões em prol da segurança de todos os participantes e deverão ser acatadas sem restrições.
+

Inscrições

A inscrição é gratuita e poderá ser feita nos seguintes locais e de várias formas:

- Na Ponta do Sambaqui – no dia do evento até as 9h da manhã, com a Comissão Organizadora.

- Por telefone:

Santo Antônio de Lisboa, Barra do Sambaqui e Sambaqui: Cláudio Andrade – 8419 0108 e Rodrigues ( Lindão) 9135 3055

Secretaria do Continente: Adriano Stoeterau –9936 0011

Costa da Lagoa: Jackie Goulart –9952 0010 / 91781477 e Newton Ney - 9976 6622

- Por e-mail: engenhoandrade@gmail.com ou velaeventos@terra.com.br

No momento da inscrição cada canoa receberá ficha de inscrição para ser preenchida na hora; 2 camisetas; adesivo para cada lado da vela; cópia resumida dessa instrução.
+

Programação após a travessia

Na praia da Ponta do Sambaqui, após a chegada da última canoa:

SOLENIDADE DE PREMIAÇÃO
TROFÉUS ESPECIAIS PARA:\
Campeão / Vice-Campeão / 3º Lugar
Troféus de Participação para todos os canoeiros
Entrega da ajuda de custo no valor de R$ 80,00
Almoço para os canoeiros e pessoal de apoio.

Comissão Organizadora
Jackie Goulart / Cláudio Andrade/ Adriano Stoeterau
+

Um pouco sobre as canoas

Os Carijós usavam duas espécies de canoas. Uma, era esculpida em um pau só, inteiriço, o monóxilo, que cavavam a frio quando a madeira era mole ou por meio do fogo no caso contrario; e chamavam a este tipo igára, de y-gára (a que flutua). As grandes canoas deste sistema eram chamadas de igára-oçu ou igára-tê (canoa de vulto ou verdadeira), que comportavam, muitas vezes, de 40 a 60 pessoas.

Os Carijós empunhavam o remo com rara mestria e o manejavam com cadência. Remavam, em geral, de pé.

Enquanto remavam cantavam suas cantigas nheengareçava. Faziam também uma espécie de regata Mo nheenga que por muito tempo existiu entre nós, com o nome de Morenga. Murú ou Mururú eram as denominações dadas aos naufrágios.

Os açorianos chegados à ilha de Santa Catarina passaram a usar as canoas indígenas na pesca e no transporte, promovendo algumas adaptações e sofisticações como pintura, borda, breque, banco e vela. A necessidade obrigou carpinteiros açorianos a se tornar exímios canoeiros, grandes construtores de canoas de garapuvu.

Com o advento da tecnologia e leis ambientais mais rigorosas, as canoas de garapuvu foram substituídas por embarcações de fibras ou alumínios, motorizadas.

Os velhos canoeiros que detinham o conhecimento do oficio não puderam transmitir as técnicas aos mais novos, levando ao recente desaparecimento das tradicionais canoas de um pau só de nosso litoral.

Promover a Corrida de Canoa foi a forma que encontramos, enquanto entidades comunitárias, de provocar uma reflexão sobre essa questão tão importante da cultura indígena-açoriana. E colocar o evento de forma definitiva no calendário cultural de Florianópolis.

Texto: Claudio Andrade
Pesquisa – Edson Luiz da Silva/Velho Bruxo

(Saiba mais e mergulhe fundo no www.sambaquinarede2.blogspot.com)

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

OS DESTERROS DE MEIRELLES

Vila de Desterro, 1847
Vista de Desterro, 1846 - Acervo Museu Victor Meirelles.
 
Pintor e professor, Victor Meirelles ( 1832-1903 ) nasceu no dia 18 de Agosto de 1832 em Desterro (Hoje Florianópolis), Santa Catarina, tendo ingressado na Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro, em 1847. Em 1852, conquista o prêmio de viagem à Europa, fixando-se na Itália. Como pensionista do Governo brasileiro, remete grande quantidade de trabalhos originais e cópias à Academia Imperial de Belas Artes. Ainda na Europa, executa "A Primeira Missa no Brasil", hoje pertencente ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes, que participou do Salão de Paris em 1861. De volta ao Brasil, é condecorado com a Ordem Imperial da Rosa e nomeado professor honorário da Academia Imperial. Em 1862 assume a cátedra de Pintura Histórica, cargo que exerceu até 1890. Em 1889, com a Proclamação da República , veio a perseguição política aos artistas oficiais da Monarquia e a demissão precoce da Escola Nacional de Belas Artes, que substituiu a Academia Imperial. Victor Meirelles, aos 57 anos, foi afastado com o pretexto de já possuir idade avançada. Em 1893, o artista tentou fundar sua própria escola, não obtendo sucesso. Sem recursos, o artista instalou o Panorama do Rio de Janeiro num barraco, onde cobrava um mil réis por visitante. Parte desses recursos foi usada para sua sobrevivência e a outra parte foi revertida, por decisão do próprio artista, para a Santa Casa de Misericórdia. O júbilo e o reconhecimento do artista se transformaram em miséria. Muitas obras se perderam por ignorância das autoridades da época, que não souberam distinguir a ideologia política da arte em sua essência. O artista finalmente desiste de produzir e segue sua vida doente e abandonado. Em 22 de fevereiro de 1903, Victor Meirelles não resiste e morre, aos 70 anos, na casa simples onde vivia.

"CABEÇUDA" ESTÁ DE VOLTA

  Foto Projeto Tamar

 Depois de trocar as águas catarinenses pelas gaúchas, a tartaruga macho da espécie cabeçuda, , encontrada encalhada em novembro do ano passado em Araquari, Norte do estado voltou a Santa Catarina neste mês. Ela passou por Florianópolis no dia 9 e agora está em Laguna, no Litoral Sul. Desde que foi devolvida ao mar, em 18 de dezembro, ela já percorreu 6,8 mil quilômetros.
Encontrada com um anzol preso no esôfago no dia 1º de novembro, a tartaruga foi submetida a uma cirurgia e recebeu cuidados de integrantes do Projeto Tamar até se recuperar completamente. Após ser solta no mar, na Capital, ela fez rápidas paradas na Praia do Rosa, em Imbituba, e em Laguna, até entrar no Rio Grande do Sul, por Torres. Em seguida, ela permaneceu nadando na região Sul do Litoral gaúcho por cerca de quatro meses, até voltar para Santa Catarina.
Pesquisadores do Projeto Tamar instalaram um GPS no casco da tartaruga, que transmite informações via satélite e permite o monitoramento do trajeto do animal. A maior parte dos estudos científicos sobre tartarugas marinhas é sobre fêmeas, por serem encontradas nas praias de desova. De acordo com o Projeto Tamar, a tartaruga macho, da espécie "Caretta Caretta", tem um alto valor biológico e científico.
A tartaruga foi encontrada em Araquari, Litoral de SC
— O que mais chamou a atenção nesses oito meses foi o fato de a tartaruga ter ficado tanto tempo próximo ao litoral do RS, o que reforça a possibilidade de o local ser uma área de alimentação para machos adultos. A velocidade da tartaruga diminuiu nessa região, o que indica que provavelmente não estava buscando águas mais quentes ou mais frias, por exemplo, mas sim estava se alimentando — afirma o biólogo Gustavo Stahelin, coordenador técnico do Projeto Tamar.
Ele explica que ao encontrar uma tartaruga morta, os pesquisadores abrem o estômago do animal e observam quais as espécies que foram ingeridas. Segundo ele, a mesma espécie que tem servido de alimento para a tartaruga macho no Sul do RS — o ermitão (Loxopagurus loxochelis) — é comumente encontrada na análise estomacal de tartarugas mortas.
No entanto, segundo Stahelin, conclusões mais precisas sobre o monitoramento da tartaruga só poderão ser divulgadas após no mínimo mais seis meses de observações.
— Esperamos que a bateria do GPS dure pelo menos mais seis meses, para que possamos observar um ciclo completo da tartaruga — afirma.

(Do DC - acesse www.diario.com.br )

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

MORTE NA ÁFRICA


Uma baleia-franca-austral morreu nesta quarta-feira depois de encalhar na praia de Danger, na Cidade do Cabo, na África do Sul.
Veterinários da Associação para Prevenção da Crueldade contra Animais declararam a morte do cetáceo depois dele ter ficado três horas fora do mar.
As causas da morte não estão confirmadas, mas é comum as baleias doentes submergir e parar em praias por estarem debilitadas.
O corpo do animal foi rebocado para um porto nos arredores, onde seria retirado da água.

(Foto e texto da EFE)
 

ILHA CONFISCADA

Foto: Divulgação
Ilha confiscada na baia de Todos os Santos

A Operação Alquimia, deflagrada nesta quarta-feira pela Receita Federal, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal , confiscou até uma ilha da baía de Todos os Santos, perto de Salvador.
Além do terreno e das construções, também foram confiscados quadriciclos, jet-skis e barcos a motor.
A operação tem o objetivo de combater organização criminosa suspeita de fraudar o Fisco. A organização é composta por quase 300 empresas nacionais, estabelecidas principalmente nos Estados da Bahia e São Paulo, e algumas empresas estrangeiras. O prejuízo aos cofres públicos, pelo não recolhimento dos tributos devidos, pode chegar a R$ 1 bilhão. Os órgãos envolvidos na operação apuram os indícios encontrados durante as investigações de prática de diversos crimes, como sonegação fiscal, fraude à execução fiscal, formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Cerca de 90 auditores fiscais da Receita Federal e de 500 policiais federais serão responsáveis por cumprir 31 mandados de prisão, 63 conduções coercitivas e 129 mandados de busca e apreensão em residências dos investigados e nas empresas supostamente ligadas à organização criminosa. A Justiça Federal também decretou o sequestro de bens, incluindo veículos, embarcações, aeronaves e equipamentos industriais e o bloqueio de recursos financeiros dos suspeitos.

(Do Portal IG)

terça-feira, 16 de agosto de 2011

CONHECENDO O MAR

Foto Andrea Ramos
Pela primeira vez, estudos sobre os seres que vivem no mar do litoral brasileiro estão sendo realizados de forma integrada. Antes, cada universidade atuava isoladamente, sem aproveitar informações de outras entidades tão bem quanto poderiam. Agora, com uma verba de cerca de R$ 1 milhão, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está coordenando a Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha, um projeto de três anos que envolve oito instituições públicas de ensino e cerca de 70 profissionais.

Uma das pretensões é mudar a posição do Brasil como um dos países que menos conhecem e protegem sua riqueza marinha. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, apenas 1,57% dos 3,5 milhões de quilômetros quadrados do mar do Brasil ficam em unidades de conservação. Esse número deveria ter chegado a 10% no ano passado para que fossem cumpridas as determinações da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), das Nações Unidas, assinada em 1992.

Apesar do descaso com a área marinha, quase 70% da população brasileira mora no litoral e aproximadamente 4 milhões de pessoas tiram seu sustento da pesca, direta ou indiretamente. Para obter resultados em todo o país, a Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha estabeleceu três núcleos (veja mapa). Todos têm acesso a laboratórios, embarcações e equipamentos de mergulho. Metade das verbas é proveniente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e metade da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

Nesses três anos, serão estudados três assuntos principais (veja quadro), cujas conclusões podem até contribuir com o desenvolvimento de medicamentos. Mas a intenção é expandir o tempo e a abrangência da pesquisa, de acordo com um dos coordenadores da rede, o professor Sergio Floeter, do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC.

– Queremos tornar essa iniciativa permanente – diz.

Até o fim de setembro, será lançado um site para divulgar o andamento do projeto. Mas os primeiros resultados serão expostos no 12º Simpósio Internacional de Recifes de Corais, na Austrália, em julho de 2012.
(Anita Martins, no DC de hoje - www.diario.com.br )

NA LUZ DO SOL

Foto EFE

Um navio movido a energia solar chegou nesta segunda-feira a Hong Kong, depois de seis dias de difícil navegação por causa das condições meteorológicas nas Filipinas, e se tornou a primeira embarcação deste tipo a atravessar o mar da China.
No trajeto de mil quilômetros, que separam as Filipinas de Hong Kong, o navio passou por condições "muito delicadas, entre a monção e as tempestades tropicais", declarou a equipe suíça que realizou esta iniciativa.
Em Hong Kong, o catamarã, chamado "PlanetSolar", participará de vários eventos.
A embarcação começou sua volta ao mundo em setembro de 2010, em Mônaco, e espera-se que termine em maio de 2012.
O objetivo do projeto é que o navio passe oito meses no mar, movido unicamente pela energia solar para provar que o sol é uma fonte confiável para o transporte ecológico de pessoas e mercadorias pela via marítima.
Sua superfície serve como "gerador solar", tornando possível que possa continuar navegando, inclusive, sem insolação direta, pois a energia produzida é armazenada em uma bateria.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

NOS INGLÊSES

Foto PBF
A mãe e um fihote de baleias francas foram vistas nesta segunda-feira na praia de Ingleses, em Florianópolis. Por volta das 7h elas estavam próximas a rebentação.
Nesta temporada, foi a primeira vez que as francas foram avistadas no Norte da Ilha de Santa Catarina.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Deu no Jornal

Foto Daniel Conzi/Agência RBS
BALEIAS NO PÂNTANO DO SUL

Duas baleias francas foram avistadas em Florianópolis nesta quinta-feira. A mãe e o filhote estavam na praia de Pântano do Sul, no Sul da Ilha de Santa Catarina. A expectativa é de que cem baleias passem pelas praias catarinenses até novembro, quando se encerra a temporada de visitação das francas ao Estado.

Conforme a diretora de pesquisa do projeto Baleia Franca, Karina Groch, o filhote que foi visto ao lado da mãe durante esta tarde nasceu na orla de Santa Catarina. Os dois estão saudáveis.
Alguns moradores, ao verem que os animais pouco se mexiam, acharam que eles tivessem encalhado. Karina explica que é normal, e típico da espécie, a aproximação em áreas costeiras e próximas à arrebentação das ondas. As francas podem ficar até semanas na mesma enseada e em locais rasos.

Cuidados
O comportamento das baleias costuma encantar observadores. A diretora de pesquisa do projeto Baleia Franca destaca que, nesta época, os animais são frágeis e, por isso, as regras de preservação devem ser seguidas à risca. Para não interferir no desenvolvimento da espécie, embarcações devem desligar os motores quando estiverem a cem metros de distância dos animais.
 
Baleias em SC
De 22 de julho até agora, quando se iniciou o monitoramento por sobrevoos, pelo menos 35 baleias francas foram avistadas nas praias catarinenses
. Na região de Garopaba, no Litoral Sul, os cetáceos tem atraído a atenção de moradores. Cem cetáceos devem passar pelo Estado até novembro para se reproduzir e cuidar dos filhotes.

A espécie


A baleia franca é uma espécie migratória. Nos meses de inverno, ela sai da Antártida em busca de águas mais quentes para procriar, ter filhote e cuidar do bebê. Durante a viagem, o cetáceo não se alimenta e dedica toda atenção à cria. A alimentação é feita somente no continente gelado: a franca armazena gordura para gastar durante o percurso.

Os sobrevoos de monitoramento são importantes para a preservação da espécie porque permitem avaliar como as francas estão ocupando a costa. Um dos resultados foi a identificação da principal área de concentração da espécie no Brasil, resultando na criação da Área de Proteção Ambiental (APA) da Baleia Franca/ICMBio.


(Do DIÁRIO CATARINENSE)

MAR AGITADO

Foto Fernando Alexandre
O mar está bastante agitado nesta quinta-feira em Santa Catarina, com ondas de até três metros, segundo a Epagri/Ciram, órgão estadual que monitora as condições climáticas. De acordo com a Epagri, há apenas a agitação, sem registro de ressaca.

Por isso, a Epagri desaconselha a navegação de médias e pequenas embarcações pela costa catarinense nesta quinta-feira. As condições melhoram a partir de sexta-feira, e o mar fica pouco agitado.

No Litoral Norte, essa instabilidade sobre a costa e a maré alta provocaram o alagamento de áreas ribeirinhas em Itajaí na quarta-feira. Por enquanto, não há registro de estragos na Grande Florianópolis, de acordo com a defesa civil dos municípios.

Velhas conhecidas

"Felícia" com filhote - Foto PBF

"FELÍCIA" E "IVONE" ESTÃO DE VOLTA A SC
 
Duas baleias bastante conhecidas, identificadas pelo Projeto Baleia Franca (PBF) desde 1999, foram avistadas durante o primeiro sobrevoo para o registro de baleias presentes na APA neste final de julho. Nesta quarta-feira (3), as praias do Siriú e Gamboa reúnem cinco pares (mães com filhotes) e dois adultos.
Uma das “reconhecidas” foi a primeira baleia registrada pelo PBF no início desta temporada e batizada pelos voluntários deste ano com o nome de "Ivone", em homenagem a avó de uma das voluntárias que atuam no Projeto Baleia Franca.
A baleia Ivone foi avistada pelo PBF no dia 2 de julho na Praia de Itapirubá e estava sozinha, ainda sem filhote. Agora foi avistada na praia da Gamboa (Garopaba), já com seu filhote recém-nascido.
“As baleias francas tem um filhote a cada 3 anos, e os registros da Ivone em SC seguiram este intervalo, este é quinto filhote que a Ivone tem aqui em SC, ao longo destes anos” fala com entusiasmo a diretora de pesquisa Karina Groch.
Desmame
  A outra baleia identificada e velha conhecida do PBF foi batizada de "Felícia". O mamífero voltou para Santa Catarina esse ano com o filhote de um ano de idade para o desmame. “Com um ano de idade o filhote já está com as calosidades bem formadas - o que não ocorre com recém-nascidos - e poderá ser catalogado pelo PBF, proporcionando assim a possibilidade de reconhecimento futuro e acompanhamento das próximas gerações da família da baleia Felícia” revela Karina.
Maior autoridade brasileira em baleias franca, Karina estima que a temporada deve trazer mais de uma centena de exemplares até novembro, com base no ciclo de três anos cumpridos pela espécie na costa brasileira.
Sobrevoo 
 O sobrevoo realizado pelo Projeto Baleia Franca avistou 35 baleias. Dessas, 13 eram pares de mães com seus respectivos filhotes, além de sete indivíduos adultos e dois juvenis, números dentro do esperado pelos pesquisadores.
A equipe do Projeto Baleia Franca decolou da cidade de Içara (SC) com o objetivo de fazer o monitoramento dos mamíferos desde o sul da Ilha de Santa Catarina até a divisa com o Rio Grande do Sul.
A equipe que fez o sobrevoo contou com a participação de Paulo Flores, Analista Ambiental do Centro Mamíferos Aquáticos/ICMBio, responsável pelas fotos durante todo o voo, para posterior identificação individual de cada uma.
Técnica - De acordo com Karina os sobrevoos são uma técnica utilizada entre pesquisadores. No Brasil, por exemplo, eles são usados para realização de estimativas de abundância de baleias jubarte que frequentam a região Nordeste, e das toninhas, uma espécie de golfinho que ocorre aqui na região Sul.
Durante o sobrevoo é possível obter informações como:
Fotografia para reconhecimento individual;
Localização das baleias ao longo da costa;
Número de indivíduos avistados;
Composição dos grupos: presença de indivíduos adultos, juvenis ou filhotes;
Comportamento das baleias durante a aproximação da aeronave.

(Matéria de Sérgio Saraiva no www.garopabaonline.com.br )

Mariscos Gratinados



Ingredientes:
• 2 dúzias (aproximadamente 1 kg) de mariscos em concha, bem lavadas 
• 300 g de manteiga 
• 4 dentes de alho picado bem picados 
• Salsinha picada 
• 1 colhar cheia de farinha de rosca 
• 1/2 cálice de conhaque 
• Sal e pimenta-do-reino a gosto 
• Sal grosso (1 a 2 kg, para forrar a forma) 

• PREPARE OS MARISCOS ASSIM: 
• Em uma panela grande, coloque aproximadamente um dedo de água e leve ao fogo forte; 
• Quando estiver bem quente, coloque os mariscos crus e tampe a panela, deixando cozinhar no vapor por 3 a 4 minutos (os mariscos estarão cozidos quando as conchas estiverem abertas); 
• Retire a carne dos mariscos e depois lave as conchas com água corrente, pois serão usadas na montagem do prato. 

• • PREPARE A MASSA PARA GRATINAR ASSIM: 
• Misture bem os ingredientes e vá apurando o gosto de sal e pimenta; •Acrescente o conhaque e continue mexendo até ficar uma massa uniforme; 
• Pré-aqueça o forno a 250 graus; 
• Enquanto isso, pegue uma forma e forre o fundo com uma boa camada de sal grosso, formando um leito que irá acomodar as conchas; 
• Recoloque um ou dois mariscos sobre as conchas e cubra tudo com uma camada generosa da massa de manteiga; 
• Passe um pouco de farinha de rosca sobre as conchas e acomode-as sobre o leito de sal grosso; 
• Leve ao forno para gratinar por 10 minutos, aproximadamente; 
 • Sirva ainda quentes.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

PORTO FECHADO

Foto Patrick Rodrigues

O canal de acesso ao Complexo Portuário do Rio Itajaí-açu está fechado e ainda não há previsão de reabertura, de acordo com a Capitania dos Portos. Desde a manhã de terça-feira as manobras ocorriam com restrições, apenas enquanto a maré estava cheia. O fechamento total foi feito a partir do início da noite, em função da forte correnteza de vazão do rio.
Segundo a Praticagem, órgão responsável pelas manobras, três navios deveriam entrar no complexo nesta quarta-feira, e outros três tinham saídas programadas. Uma nova avaliação das condições de manobras deve ser feita na quinta-feira.

(Do blog Litoral do www.clicrbs.com.br)

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Na baía Sul

CONTINUA RESGATE DE NAVIO DE 1583

Nem a chuva torrencial, que caiu durante toda a segunda-feira, foi capaz de impedir que os mergulhadores/pesquisadores do Projeto Barra Sul resgatassem do fundo do mar da Ilha de Santa Catarina uma pedra triangular com escritos em latim, medindo 1 metro e 25cm por 0,75metros, e duas esferas com aproximadamente 21cm de diâmetro.
“Acreditamos estar diante do mais antigo naufrágio localizado e pesquisado das Américas”, ressalta um dos seis pesquisadores/mergulhadores, Bruno Germer, acrescentando que as peças retiradas repousavam no fundo do mar há mais de 400 anos. O tenente da Marinha, Daniel Gusmão, afirma que este, por enquanto, é o mais antigo naufrágio pesquisado na costa brasileira, mas ainda “são necessárias mais pesquisas históricas para ter a confirmação do nome da nau”.
Estudos preliminares realizados pelo projeto Barra Sul apontam para a embarcação chamada San Esteban, que naufragou na saída da Baía Sul, em janeiro de 1583, e que transportava peças de artilharia e material para construção de duas fortalezas no Estreito de Magalhães. “A pedra triangular faz menção ao rei Felipe II com a inscrição: Philippus Maximvs Cathollicvs II Hispaniarvm Indiarvm et Rex.  E acredita-se que o ano seja o de 1582, mas só vamos ter certeza depois dos avanços das pesquisas arqueológicas”, ressalta o pesquisador/mergulhador, Flávio Corrêa.
Acompanharam a segunda expedição o capitão dos Portos/SC, comandante Claudio da Costa Lisboa; o representante da DPHDM (Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha), tenente Daniel Gusmão; e a equipe de arqueológos da Unisul. O próximo passo, segundo Flávio Corrêa, será a retirada, até o final do ano, do canhão que está no mesmo sítio arqueológico e que tem data de fundição de 1565. A arqueóloga da Unisul, dra. Deisi Scunderlick Eloy de Farias ressalta: “Por se tratar de um sítio arqueológico que guarda vestígios históricos inéditos no Brasil, haverá uma minuciosa escavação, seguindo todos os procedimentos e cuidados previstos em trabalhos arqueológicos”.
por Duda Hamilton
fotos Pablo Corti

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

BALEIAS NO SAQUINHO

 Fotos Luciana Stocco
Três baleias francas chegaram esta manhã à praia do Saquinho, Sul da Ilha de Santa Catarina. Os dois adultos e um filhote estão entre a praia e o "Buraco do Inferno", um pouco acima no costão. Informações da Marli Marafigo Borges, diretamente do observatório do Bar do Quirino, no Saquinho.

O bem do mar


Dori Caymmi, em show realizado em 30 de abril de 2004, em homenagem aos 90 anos de seu pai, Dorival Caymmi.

TEM BALEIA NA PRAÇA

Foto PMRO
Praia do Remanso, Rio das Ostras, litoral do Rio de Janeiro

MORTE EM LAGUNA

 Foto IBF

Um filhote de baleia franca medindo 5,5 metros encalhou na manhã de ontem, domingo, na Praia do Gi, em Laguna, Litoral Sul de Santa Catarina. De acordo com a equipe do Projeto Baleia Franca, esse foi o primeiro encalhe do ano em praias catarinenses.

Devido ao estado de decomposição, acredita-se que o mamífero já estava morto há cerca de três dias. A baleia foi avistada por volta das 8h pela polícia ambiental. A necropsia no corpo do animal não indicou causas externas para a morte. A veterinária Cristiane Koslenikovas, da Associação R3 Animal, que coordenou os trabalhos acredita que a baleia tenha morrido por  falta de alimento.

Durante os primeiros meses de vida a única fonte de energia é o leite da mãe e o macho pode ter se perdido. Após a retirada de tecidos do animal para análise uma retroescavadeira foi utilizada para enterrar a carcaça.

A mortalidade de filhotes da espécie franca é comum e atinge por volta de 10% do total de nascimentos. Em 2010 foram registrados três encalhes na região, sendo dois filhotes e um adulto. Vale ressaltar que encalhes de indivíduos adultos são raros.

(Com informações do IBF e do DC)

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

PF INAUGURA DELEGACIA MARITMA

 Foto DPF
Começa a funcionar, a partir de hoje, a primeira Delegacia Especial de Polícia Marítima. Localizada no Estreito, área continental da cidade, a nova delegacia deve intensificar as operações da Polícia Federal pelo mar. A inauguração será as 10h, na rua Quatorze de Julho ao lado da Capitania dos Portos.
Segundo o delegado da Polícia Federal, Ildo Rosa, a nova delegacia será integrada com outras unidades que já atuam no estado, o Gepom (Grupo Especial de Polícia Marítima) de Florianópolis, que trabalha em conjunto com o Nepom (Núcleo Especial de Polícia Marítima) de Itajaí e GEPOM de Joinville. Graças a essa integração são realizados frequentes patrulhamentos em toda a costa catarinense e diversas operações de combate a crimes ambientais e de combate ao tráfico de drogas por meio dos portos catarinenses. “A estrutura também vai nos permitir uma integração com outros portos como o de Rio Grande (RS)”, explica Ildo Rosa.
A Delegacia terá a missão de guarnecer os 562 quilômetros de extensão da costa de Santa Catarina, e, além de atuar na prevenção e repressão dos crimes contra bens, serviço e interesses da União, a integração das polícias marítimas tem como atribuição realizar o patrulhamento nas ilhas e costa catarinense, e o policiamento nos complexos Portuários de Imbituba, Itajaí e São Francisco do Sul.
E expectativa da Polícia Federal é permitir que, em 2014, o projeto conte com um eficiente Sistema de Segurança Portuária e de Patrulhamento Costeiro, dotado de uma estrutura de inteligência portuária que poderá servir de modelo a outros Estados. A ideia é apoiar as cidades litoraneas que sediarão os jogos da Copa do Mundo em 2014. --
O Depom (Delegacia de Polícia Marítima) marca a conclusão da primeira etapa de um projeto iniciado em janeiro de 2009. O efetivo é habilitado pela Marinha do Brasil para condução de embarcação pública e possui treinamento de Técnica de Atividades Embarcadas aplicado pelo Centro de Treinamento da Polícia Federal no Estado do Amazonas.
O contingente ainda conta com treinamentos da Guarda Costeira Americana para atividades de polícia marítima;  Curso de Análise de Inteligência na CIA (Central de Inteligência Americana); Escola Superior de Guerra e Instruções de mergulho na Academia Nacional de Polícia.

Raio-X DEPOM

Lancha de Patrulhamento Ambiental SEAP 16, de 36 pés;
Lancha de Patrulhamento Costeiro Mercúrio, blindada de 45 pés
Três Lanchas Rápidas de Interceptação;
Flexboats 760, que ficam atracadas em nossas Unidades de Polícia Marítima de Joinville, de Itajaí e na DEPOM de Florianópolis.

(Colombo de Souza, no ND de hoje)

ACORDES DA ILHA



O guitarrista ilhéu Luciano Bilu, que está concorrendo ao Guitar Idol 2011 o maior e mais importante festival de guitarra do mundo.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

ARRASTÃO EM CAMBORÍU


Fotos Angelo Cristofoli
Na praia, muita gente! No mar, poucos peixes: uma arraia, poucas espadas e muita água viva.Colaboração de Angelo Cristofoli, da praia central do balneário.

PERDIDO NO NORTE

Reprodução TVBV
 Mais um pinguim de magalhães chegou ao litoral de Santa Catarina. O animal estava sujo de óleo quando foi achado na Praia das Salinas, em Balneário Barra do Sul. 
Este é o nono pinguim que aparece no litoral norte só no último mês.
Eles costumam migrar da Patagônia, uma região localizada na Argentina e no Chile, em busca de águas quentes.
No trajeto podem cair em redes de pesca ou manchas de óleo e acabam sendo arrastados para praias brasileiras.
O pinguim foi limpo com detergente e aguarda a Polícia Ambiental para resgatá-lo e devolvê-lo ao mar.

(Da TVBV)

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

A FESTA DAS BALEIAS


   Foto IBF/Arquivo
Duas baleias-francas adultas e um filhote fizeram a festa na águas da praia do Siriú, em Garopaba, neste último sábado ainda ensolarado.
A região é visitada por dezenas de animais que saem da Antártica em busca de águas mais quentes para acasalar, procriar e amamentar os filhotes. De julho a novembro, tempo em que as francas permanecem no Estado, a costa catarinense também recebe pessoas de várias partes do Brasil e do exterior, que querem conhecê-las.
As primeiras baleias-francas chegaram ao litoral de Santa Catrina no começo de julho, e até o final da temporada, que acontece em novembro, a expectativa dos biólogos do Instituto Baleia Franca é superar a marca do ano passado, que foi de 102 animais. Até agora, cerca de 10 já foram avistadas na região. Mas, de acordo com o presidente do Instituto Baleia Franca, Enrique Alfredo Litman, os três últimos meses são os que registram o maior número de animais.
O turismo de observação de baleias por mar acontece em Garopaba desde 1998. O recorde de animais foi registrado em 2006, quando 194 animais foram vistos no litoral Sul.

VENDO BALEIAS
Onde: Turismo Vida Sol e Mar, em Garopaba
Quanto: por pessoa, R$ 90 (segunda à sexta-feira) e R$ 140 (sábado e domingo)
Duração: de 1h30min a 3h
Informações: (48) 3254-4199 ou (48) 9981-0592

Onde: Base Cangulo, em Garopaba
Quanto: R$ 80 por pessoa (crianças até 10 anos pagam a metade)
Duração: de duas horas
Informações: (48) 3354-1606 ou (48) 8842-2993.
Os passeios só não ocorrem se não houver gente o suficiente ou se o tempo estiver inadequado
(Com informações do IBF e do DC)

FIM DE SAFRA

Foto Andrea Ramos

Arante José Monteiro Filho, o Arantinho, do Pântano do Sul, é pescador de tainhas, historiador e um dos proprietários do tradicional "Bar do Arante".
Neste texto, ele estréia como colaborador do Tainhanarede e faz um balanço e uma análise da pesca da tainha em 2011 na ilha de Santa Catarina, safra que se encerrou oficialmente ontem, dia 31 de julho.

POUCA TAINHA


"De modo geral foi um fracasso a pesca da tainha este ano. Tirando duas ou três praias, a verdade é que na maioria delas foi decepcionante a pescaria, uma mixaria. Tanto no arrastão de praia quanto na caça de malha muitos pescaram somente prejuízos. Foi uma das piores safras dos últimos anos.
A razão disso foi uma só. No começo da safra, quando os cardumes já estavam no nosso litoral, bateu aquele “rebojão” com maresia que durou uma semana inteira. Uma ressaca braba, que deu mesmo foi dor de cabeça nos pescadores. Quando acabou esta veio outra, embora de menor intensidade, que parece que veio mesmo foi para arrematar o estrago da primeira. As tainhas fugiram lá para os “cafundós do Judas”, deixando os pescadores do litoral de Santa Catarina a ver somente navios. Os vigias cansaram de olhar para o mar, de manhã à noite, e só viam navios que passavam para lá e para cá.
Mas algumas poucas praias acertaram e capturaram, num só dia, toda a safra do mês, foi o caso da praia da Lagoinha do Norte e também dos Ingleses, que em um lanço só fizeram a safra. Mas veja bem, na praia dos Ingleses somente uma “parelha” acertou, porque existem muitas outras “parelhas” naquela praia que também amargaram prejuízo.
Este ano nem se falou das praias de Bombinhas, Garopaba e Pinheira, locais onde tradicionalmente se pescam muita tainha. De modo geral foi um ano triste para os pescadores, agora só resta esperar o próximo ano, para quem for vivo.
De uns anos para cá o Instituto Costão Social, localizado na Praia  Brava, instituiu o “Troféu Tainha” para a praia que somar o maior número de tainhas capturadas durante a temporada da pesca. Uma idéia, aliás, muito legal para nós pescadores, pois tem o objetivo de “resgatar e manter a tradição açoriana, da pesca de arrastão de tainha, entre 15 de maio e 31 de julho”. Junto com o Troféu também homenageia “uma personalidade nativa da Ilha que tenha influência no desenvolvimento sócio-cultural de nossa cidade”. É um trabalho muito bacana desta Entidade Não Governamental, pois nos incentiva e dá visibilidade ao nosso trabalho já tão quase esquecido. Também o blog do Fernando e  Andrea (www.tainhanarede.blogspot.com), traz  toda informação sobre a pesca.
Este ano a praia vencedora foi Lagoinha do Norte, que pela segunda vez ganhou o Troféu. Meus parabéns a todos os pescadores dessa linda e abençoada praia.
O homenageado deste ano foi o Professor Nereu do Vale Pereira, Doutor em Sociologia, Folclorista e pessoa muito estimada em nossa cidade. O Instituto também já homenageou o Jornalista Cacau Menezes (2010) e o saudoso meteorologista, nosso homem do tempo, Amaro Seixas Neto (2009). Justas homenagens.
Agora a relação das praias e da quantidade de tainhas pescadas na safra deste ano de 2011: Lagoinha do Norte = 40.920; Ingleses = 33.210; Barra da Lagoa = 15.090; Campeche = 13.530; Praia Brava = 8.855; Santinho = 8.600; Pântano do Sul = 6.800; Joaquina = 6.200; Moçambique = 4.500; Galheta = 2.735; Naufragados = 2.225; Ponta das Canas = 2.042; Gravatá = 1.505. Faltou Caiacanga e Daniela.
Acaba a tainha, se recolhe as redes e as canoas aos seus ranchos e se joga ao mar, novamente, à procura de bacalhau e anchovas, porque a fila anda e a roda gira e quem fica parado é poste. Até o próximo ano, se Deus quiser, para quem for vivo."

Arante José Monteiro Filho