terça-feira, 30 de novembro de 2010

VOCÊS VERÃO!

Pântano do Sul - Foto Fernando Alexandre
1 milhão de turistas neste verão! Esta é a demanda de turistas, de acordo com as previões da prefeitura de Florianópolis, que deverá aumentar 11% acima dos 900 mil visitantes da última temporada. – Nunca tivemos tantos turistas quanto teremos agora – prevê o recém-empossado secretário de Turismo, Homero Gomes. A Operação Verão Floripa 2011 prevê, entre outras ações, fiscalização integrada contra vendedores ambulantes irregulares, aumento de 40% dos horário dos ônibus, 240 guarda-vidas, recolhimento diário de lixo e 200 novos táxis. Apesar dos planos do secretário, moradores e turistas que já estão na cidade reclamam de problemas que poderiam ter sido solucionados mesmo antes de a estação chegar, e de outros que, não serão resolvidos a tempo.
(Com informações do DC)

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Les illes

Poema de Vicent Andrés Estellés cantado por Pau Durà, música de Maria del Mar .

Perdido na Ilha

Uma criação DePatie-Freleng, o desenho O Inspetor foi lançado em 1965 aproveitando a fama dos filmes da Pantera Cor de Rosa. O personagem principal era baseado no Inspetor Clouseau, interpretado por Peter Sellers em grande parte dos filmes da Pantera, mas os traços do personagem não possuíam a pretensão de caricaturar o comediante hollywoodiano.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

NA PRAIA

Foto Andrea Ramos

Um ano da Onda Gigante

Sobrevivendo no Mar

Três adolescentes da Nova Zelândia foram resgatados após passar 50 dias em um bote à deriva e sem comida no oceano Pacífico, indicou a imprensa local nesta quinta-feira. Os jovens, que desapareceram em 5 de outubro quando navegavam nas águas de Tokelau, foram resgatados na quarta-feira por um barco pesqueiro, que os avistou ao nordeste da ilha Fiji. A previsão é que a embarcação atraque na sexta-feira em Suva, capital de Fiji, onde os jovens serão submetidos a exames médicos. Os adolescentes tinham água, mas só puderam comer uma gaivota crua que conseguiram capturar durante o naufrágio em alto-mar. Eles eram dados por mortos na Nova Zelândia, onde já havia sido realizada uma missa por suas almas. "Mantinham um razoável bom espírito apesar do tempo que estiveram em alto-mar. Tinham queimaduras sérias pelo sol, mas só precisaram receber os primeiros socorros, sobretudo cremes para aliviar a pele", indicou Tai Fredricsen, líder da tripulação do barco pesqueiro. (Da EFE)

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Baleiagate, a Farra do Mar

O Ministério Público Federal em Santa Catarina ingressará com ação penal, sob alegação de fraudes a propósito da realização da Festa da Baleia Franca, que ocorreu em 2005, no Município de Imbituba. A ação terá como base o Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), que apontou que 49,40% dos recursos públicos recebidos foram desviados. Ou seja, do total arrecadado, R$ 450 mil, existiu, em tese, um desvio de R$ 219.847,28. A Semana Nacional da Baleia Franca ocorreu no período de 14 a 25 de setembro de 2005 e estava em sua nona edição. A maior parte dos recursos arrecadados vieram do Ministério do Turismo e da Cultura, por meio da lei de incentivo fiscal do mecenato. Os envolvidos são acusados de superfaturar serviços e receber por outros que nem sequer foram realizados. A empresa organizadora é a mesma que também já foi condenada por estelionado em função de um outro evento, ainda em 2006, a New Millenium. Segundo o procurador da República em Tubarão, Celso Antônio Tres, que analisa o caso, ocorreram fraudes bizarras, como por exemplo a especificação de R$ 30 mil à premiação para um concurso de fotografia. Contudo, foram distribuídos apenas R$ 1 mil (na proposta o primeiro lugar receberia mais de R$ 21 mil, porém, de fato, recebeu apenas R$ 500,00). Em outro item, seriam destinados mais de R$ 50 mil a artística plástico pela pintura de algumas telas tendo por tema a baleia franca. Todavia, o pintor só recebeu R$ 5 mil. Também foram destinados mais de R$ 30 mil para remunerar seis apresentações do violinista, quando ele se apresentou apenas quatro vezes (R$ 5.185,00 por sessão). Além disso, ele não foi localizado para certificar quanto, de fato, recebeu pelas apresentações. O relatório aponta, também, que o violinista e acompanhante consumiram, em três dias, 72 refeições; e o artista plástico, mais de 36 refeições. Os envolvidos já foram condenados pelo TCU e pela Justiça Federal, por outros convênios fraudulentos com ONGs e Associações. A forma de atuação foi a mesma deste caso: sob a alegação de promover festas, eles entravam em contato e pediam “emprestado” o respectivo nome das associações e ONG’s, com o objetivo de levantar recursos públicos, afirmando que se responsabilizariam por toda aplicação dos valores e prestação de contas.

domingo, 21 de novembro de 2010

sábado, 20 de novembro de 2010

Tainhas da Ilha do Mel

Clic que cresce

"UAN" PERDIDO NO TEMPO

Foto Fernando Alexandre
Perdido de sua turma e no tempo, um pinguim de Magalhães - chamado de "Uan" no Pântano do Sul - chegou exausto na praia no final da tarde de ontem. Recebeu carinho, descansou, e se fez ao mar novamente.

PAÍS SUBMERSO

Foto DC Os privilegiados que fazem suas caminhadas diárias no entorno da Lagoa da Conceição, em Florianópolis, viram o pescoço quando passam em determinado trecho. Na água, 106 pedras cobertas de limo formam a palavra “Brasil”. O cenário enche os olhos e parece desejar boas vindas ao verão. Assim como encanta, a palavra também intriga. Ninguém sabe quem é o responsável. Alguns moradores suspeitavam da casa da Avenida das Rendeiras que fica em frente. O morador Gustavo Pinto Cordeiro, 29 anos, nega que a “obra” tenha sido dele. Diz que quando mudou para a Lagoa da Conceição, em dezembro de 2009, as pedras já estavam na água: – Bem que eu queria ser o autor, mas a ideia não foi minha. Toda vez que abre o portão de casa o morador se depara com a palavra. A rotina serviu para perceber que, quando a maré baixa, alguém arruma as pedras que foram empurradas para o lado pela água. Gustavo também reparou que o respeito é total e ninguém estraga. Márcio Salésio, 36 anos, tem casa nas imediações e criou outra teoria para explicar a longevidade da palavra. Ele acredita que funcionários do John Bull Pub, bar vizinho à casa de Gustavo, fazem a manutenção da obra, como alguns moradores se referem à palavra. Como o “Brasil” foi parar dentro da Lagoa da Conceição? Vamos acabar com o mistério: um turista criativo teve a ideia e os empregados da casa noturna se encarregam de preservar. Já dizia Chacrinha: tudo se copia. Não demorou para outras palavras aparecerem. Com um pouco de dificuldade, é possível distinguir “Luana”, “Marina” e “te amo” no fundo d’água. Um coração em que cabem duas pessoas deitadas também. Outras palavras são impossíveis de decifrar. A degradação ocorre porque nenhuma delas conquistou as pessoas que mantêm o “Brasil” intacto. (De Felipe Pereira, no www.diario.com.br de hoje)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Sem protetor Solar

Foto Diane Gendron/AP As baleias da Califórnia (EUA) estão começando a sofrer de um mal: bolhas de queimaduras provocadas pelos raios solares. Pesquisadores que acompanharam os cetáceos durante três anos afirmam que a radiação ultravioleta (UV) e o dano à camada de ozônio são a causa do problema. "Esta é a primeira evidência que o raio ultravioleta pode lesar a pele dos cetáceos, mas é difícil dizer qual será o impacto na saúde delas", explica Laura Martinez-Levasseur, do Instituto de Zoologia e da Universidade de Londres Queem Mary, ambos no Reino Unido. Entre 2007 e 2009, a pesquisadora e equipe estudaram espécies diferentes de baleias, realizando autópsia da pele de 142 animais. As baleias-azuis são as que mais sofrem com a exposição solar --não foram encontrados sintomas mais graves como a presença de melanomas (câncer de pele) ou de outros tipos de doenças decorrentes do sol. O estudo, entretanto, é posto em dúvida por alguns meteorologistas consultados pela "New Scientist". "Eu seria mais precavido sobre a correlação com o esgotamento da camada do ozônio", comenta Guus Velder da Agência Ambiental da Holanda. A pesquisa agora parte para outra fase: Martinez-Levasseur e colegas querem descobrir se há aumento na atividade genética dos cetáceos como meio de se protegerem contra a UV.

(Por Andy Coghlan, da "New Scientist")

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Funeral no Mar

As cinzas do corpo do surfista Andy Irons, morto no dia 2, foram jogadas nesta segunda-feira no mar do Havaí. Uma canoa remada por Bruce, seu irmão caçula, que conduzia sua esposa Lyndie Irons, grávida de oito meses, comandou a cerimônia. Muitos familiares e amigos, além de centenas de admiradores participaram do tributo e acompanharam a cerimônia na praia de Hanalei, que fica na Ilha de Kauai, onde o surfista morava. Um helicóptero sobrevoou o local, jogando flores.

FORA MESMO!!!

Foto Celso Martins A OSX, empresa do multimilionário e depredador contumaz Eike Batista, desistiu de instalar o mega estaleiro programado para o município de Biguaçu. Em nota oficial, a empresa alega "incentivos para a instalação no Porto de Açu" (Rio) e a "pressão dos ambientalistas que residem na região de Florianópolis". Veja o texto do jornalista Celso Martins: UMA SAÍDA HONROSA O Ministério do Meio ambiente e o ICMBio nacional não tiveram como anular a decisão tomada pelos técnicos do órgão em Santa Catarina, que negou anuência ao empreendimento. Os impactos do canal que teria de ser dragado no meio da Baía Norte de Florianópolis seriam desastrosos do ponto de vista social, econômico e ambiental. O Estudo de Impacto Ambiental (EIA-RIMA) do estaleiro, que mascara essas consequências, é uma farsa, uma colcha de retalhos, um Frankstein mal acabado. O projeto global da OSX prevê outros estaleiros em Santa Catarina (ponta do pré-sal), no Rio de Janeiro e no Nordeste (outra ponta do pré-sal). Por hora, o grupo vai tentar a sorte em águas cariocas, mas ainda aguarda a concessão de licença. (Saiba mais no http://www.sambaquinarede2.blogspot.com/)

COYOTE 21 UIVANDO NA PRAIA

Poemas do espanhol Leopoldo María Panero, conto inédito de João Gilberto Noll, entrevista com a crítica norte-americana Marjorie Perloff, poemas inéditos de Wilson Bueno, aforismas de Franz Kafka e um ensaio de Jair Ferreira dos Santos são os destaques da revista COYOTE 21 “A poesia contorna a Economia. É criação improdutiva como a Festa, o Amor. Não é mercadoria, ignora o interesse, está à margem do calculo” - escreve Jair Ferreira dos Santos em seu ensaio inédito, O Pavão é uma Galinha em Flor, publicado no novo número da revista Coyote que ganha as livrarias do Brasil esta semana. Editada em Londrina (PR), a edição traz um conto inédito do escritor gaúcho João Gilberto Noll e uma entrevista com a crítica norte-americana Marjorie Perloff. Julgando boa parte da poesia escrita hoje de "prosa preguiçosa", Perloff dispara: "Minha principal crítica hoje é em relação a falta de interesse no aspecto sonoro e visual da maior parte da poesia que aparece sobre minha mesa". Coyote 21 apresenta ao público brasileiro a poesia radical do espanhol Leopoldo María Panero, traduzido por Vinícius Lima, e aforismos de Franz Kakfa, traduzidos por Silveira de Souza. A revista traz também a poética de Mariana Ianelli e apresenta a literatura de Ivan Justen Santana e Mario Domingues, dois novos talentos da poesia paranaense, além de um conto do londrinense Marco Fabiani. A publicação também traz poemas e narrativas de dois livros inéditos deixados pelo escritor curitibano Wilson Bueno, brutalmente assassinado em maio deste ano. Fotografias da série Autodesconstrução, da artista pernambucana Priscilla Buhr, complementam a edição. A revista Coyote prossegue abrindo espaço para novos autores, resgatando e apresentando nomes importantes das letras e das artes, de épocas e lugares diferentes, instigando a reflexão e a criação literária. A revista é patrocinada pelo PROMIC (Programa Municipal de Incentivo à Cultura) da cidade de Londrina, e editada pelos poetas Ademir Assunção, Marcos Losnak e Rodrigo Garcia Lopes. COYOTE 21 // 52 páginas // R$ 5,00 (Londrina) e R$ 10,00 (outras cidades) Uma publicação da Kan Editora. Distribuição nacional Editora Iluminuras. Vendas em livrarias de todo o país pela Editora Iluminuras – fone (11) 3031-6161. Pode também ser adquirida pela internet através do site: www.iluminuras.com.br Contatos: losnak@onda.com.br / zonabranca@uol.com.br / rgarcialopes@gmail.com Fone: (43) 3334-3299 / (43) 3322-2115 / (11) 3731-3281 PATROCÍNIO: PROMIC - PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA – PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA - SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA DE LONDRINA

MORANDO NO MAR

terça-feira, 16 de novembro de 2010

NO SOPRO DO VENTO

Foto FCV Após três dias de disputas na Praia de Jurerê, em Florianópolis, Bruno Fontes (Unimed/Eletrosul/Akakia Cosméticos/Governo de Santa Catarina) conquistou o tricampeonato no Sul-Brasileiro da Classe Laser. Foram três dias de competição e sete regatas, todas vencidas por Bruno, que não deu chance aos adversários. Completando o pódio, em segundo lugar ficou o catarinense Matheus Dellagnelo, e em terceiro lugar, o paulista João Hackrot. (Do www.diario.com.br )

FALSOS PESCADORES

As denúncias apresentadas pelo "Fantástico", da Rede Globo, no último domingo, de que falsos pescadores da região Sul de Santa Catarina recebem seguro-desemprego de forma ilegal, não são novidades para o procurador da República de Tubarão, Celso Tres. Segundo ele, desde 2007 cerca de 200 pessoas foram processadas. A maioria aceitou penas alternativas, como prestação de serviços comunitários ou doação de cestas básicas. As que foram julgadas acabaram condenadas a penas semelhantes.

sábado, 13 de novembro de 2010

SOM NA PEIXARIA

Foto Andrea Ramos Hoje à noite, sábado, som ao vivo na "Peixaria do Adermir", a mais antiga do Pântano do Sul, e que há 2o anos oferece frutos do mar pescados alí mesmo na praia. E para acompanhar a música - ou vice-versa - peixe frito, ostras, mariscos, camarão e outros petiscos preparados na hora - e ao vivo - pela Josiane e pela Beth e pescados pelo próprio Ademir, pelo Fabrício e pelo Fábio. De quebra, uma cerveja estupidamente gelada e uma cachacinha do alambique do Zeca, lá do Sertão do Peri. Regados sempre com muito papo sobre o mar, peixes e pescarias. E não é conversa de pescador!

Novos Piratas

Navio é sequestrado no Mar da Arábia Pequim - O Centro de Resgate Marinho da China confirmou o sequestro do navio "Yuan Xiang", com bandeira panamenha e 29 marinheiros chineses a bordo, no mar da Arábia, na parte norte do oceano Índico. Segundo a agência oficial "Xinhua" publicou neste sábado, o organismo de controle perdeu o contato com o navio na noite de sexta-feira (pelo horário local) e o paradeiro dos marinheiros ainda é desconhecido. Os últimos dados disponíveis são da companhia Ningbo Hongyuan Ship Management, proprietária da embarcação, que emitiu uma mensagem às 13h26 de sexta-feira (horário de Brasília) alertando sobre o sequestro e informando que os piratas estariam levando o navio para águas da Somália. A China já entrou em contato com as autoridades internacionais antipirataria e a Marinha dos países com representações na zona para organizar o resgate, apesar da dificuldade causada pelo fato de o Mar da Arábia ficar fora da região patrulhada pelos navios do Exército de Libertação Popular (ELP). A China faz parte do grupo de países que enviaram nos últimos anos patrulheiras militares às águas do Golfo de Áden e também em missão especial para combater o aumento da pirataria na costa da Somália.
(Com informações da EFE)

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

CAMINHOS DO MAR

Foto Osmair César Aprovado novo transporte por mar em Palhoça A prefeitura de Palhoça, através do prefeito Ronério Heidersheidt, aprovou, ontem, a lei que cria o Sistema de Transporte Marítimo no município. Agora, será criada uma comissão para definir os critérios para a contratação de uma empresa para operar, em caráter emergencial de 180 dias, o transporte. Na prática, a aprovação da lei em Palhoça é só o começo do processo de implantação do novo sistema. A atuação da Capitania dos Portos de Santa Catarina, órgão da Marinha, que dará a orientação técnica para as obras, irá iniciar quando a prefeitura de Palhoça definir as áreas de navegação, de embarque e de desembarque. As três têm de ser oficialmente cedidas pela Superintendência do Patrimônio da União, com sede na Capital. O comandante Joares Pereira de Mello, chefe do Departamento de Segurança do Transporte Aquaviário da Capitania dos Portos, explica que a lei sancionada ontem autoriza o transporte de embarcações apenas dentro do município de Palhoça: – Para que se instale um ponto de embarque e desembarque em Florianópolis, a prefeitura da Capital terá de repetir todo o processo que Palhoça está iniciando. Aprovar lei, solicitar área para a União e entrar com processo junto à Marinha para realizar obras. De acordo com o oficial, a iniciativa é apoiada pela Marinha, que tem a intenção de agilizar o processo. O prazo para as embarcações começarem a navegar não pode ser garantido, segundo Joares, por envolver também a autorização da União para a realização do projeto. (Do www.diario.com.br )

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

PESCA DURA E SOLITÁRIA

Foto Ninguem Sabemesmo Pescadores portugueses de Bacalhau no século 19
A pesca do bacalhau pelos portugueses foi referenciada pela primeira vez em 1353 , ano em que D. Pedro I e Edward II da Inglaterra estabelecem um acordo de pesca para pescadores de Lisboa e do Porto poderem pescar o bacalhau nas costas da Inglaterra por 50 anos. A necessidade de estabelecer um acordo indica que esta atividade já se realizava em anos anteriores e em grande quantidade. Desde então o método de pesca adotado pelos portugueses manteve-se inalterado até aos anos 70 do século XX. A memória da dureza deste trabalho ficou marcada na expressão popular que algumas mães usavam quando queriam ameaçar os filhos: “se continuas assim, mando-te embarcar como salgador”. O frio, o sal, as linhas e toda a dureza do trabalho refletia-se sobretudo nas mãos, pois nos dóris - os pequenos barcos onde os pescadores ficavam em alto-mar - o trabalho não permite o uso de luvas e usam umas tiras de couro para proteger as palmas das mãos. Todas as tarefas passam-se entre as 4 horas da manhã e a meia-noite, sem feriados ou fins-de-semana, e mesmo o tempo de vigia é tirado do tempo de descanso.
.
O navio bacalhoeiro José Alberto numa viagem aos Grandes Bancos ao largo da Terra Nova.
A pesca de bacalhau à linha era praticada por um homem num dóri, vagando no Atlântico norte e entregue à sua sorte durante dez horas diárias.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Visitante de peso

Foto Charles Guerra/DC Moradores de um condomínio no bairro João Paulo, em Florianópolis, receberam uma visita inesperada por volta das 8h desta quinta-feira. Um elefante marinho de 300 quilos e cerca de três metros apareceu na área de mangue da Reserva Ecológica de Carijós, em frente a baia Norte. Depois de mais de cinco horas no local, o animal conseguiu sair quando a maré subiu. Policiais ambientais e fiscais da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram) estiveram no local para avaliar a situação. O animal estava aparentemente saudável. Segundo especialistas, a espécie costuma procurar terrenos pantanosos para se refrescar e se proteger de parasitas. O mamífero jovem estava em período de migração. É provável que seja o mesmo avistado na Cachoeira do Bom Jesus, no Norte de Santa Catarina, na segunda-feira. (Do www.diario.com.br )

NAS NOSSAS BAÍAS, NÃO MESMO!

AMANHÃ, TODOS AO MAR!!!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

E SE A PONTE SUMISSE...

O jornalista Carlos Stegmann e o também jornalista e cartunista Zé Dassilva lançam hoje "A Ponte Sumiu", livro infanto-juvenil sobre a ponte Hercílio Luz, patrimônio histórico e cultural da cidade. E se a ponte Hercílio Luz desaparecesse? E pior: ninguém notasse... Esse é o drama que Maria Vitória vive em pleno século 21, em Florianópolis. Como toda a garota de sua idade, ela estuda e tem trabalhos escolares para fazer. Um deles, em especial, mobiliza a estudante. Ela é a personagem desta história escrita pelo jornalista Carlos Stegmann e ilustrada pelo chargista Zé Dassilva. O livro, chamado A Ponte Sumiu!, será lançado hoje na Livraria Saraiva, no Shopping Iguatemi, em Florianópolis. A Ponte Sumiu!, de Carlos Stegmann e Zé Dassilva. Editora PalavraCom. 120 págs. R$ 15.

ITAPOÁ

JÁ TEM NAVIO NO PORTO
Quem passar pela região da praia do Pontal da Figueira, em Itapoá, pode ver uma cena inédita, mas que deve se tornar rotina a partir do próximo mês. O Porto de Itapoá, que está com inauguração marcada somente para dia 22 de dezembro, recebeu ontem o primeiro navio. A embarcação, vinda da China, atracou no cais do terminal às 12h50min, trazendo quatro portêineres, equipamentos utilizados para carga e descarga de contêineres. Esses equipamentos serão usados para a operação do próprio porto. Quando for inaugurado oficialmente, o porto terá dois berços para atracação. A previsão era de que o navio Zhen Hua 15 – que zarpou de Xangai no dia 21 de setembro – atracasse na última terça-feira, mas problemas de documentação interna da empresa que fabrica e transporta os equipamentos atrasaram a operação. A expectativa é de que o navio permaneça no porto até a próxima semana. São necessários, pelo menos, três dias para desamarrar as máquinas e outros quatro dias para retirar os equipamentos, que têm 110 metros de altura e devem demorar 15 dias cada para serem instalados. Outro navio atraca amanhã de manhã Amanhã pela manhã, será a vez do Zhen Hua 22. O navio traz 11 transtêineres, pórticos rolantes em estrutura de portais que se deslocam sobre pneus e são utilizados na movimentação e armazenamento dos contêineres no pátio. Juntos, os equipamentos somam investimentos de US$ 45 milhões e mais de 1,5 tonelada.

SEM SARDINHAS

Foto MPA - Divulgação
O período de defeso da sardinha começou no último dia 1 de novembro, segunda-feira, quando a pesca foi suspensa nas Regiões Sul e Sudeste do país, onde se encontram os principais estoques da espécie. Segundo o Ministério da Pesca e Aquicultura, a produção de sardinha vem aumentando ano a ano após as medidas preventivas adotadas pelo governo para ordenamento dessa pesca. O Defeso de Verão, que começou agora em novembro, tem como objetivo permitir a reprodução da espécie e vai até 15 de fevereiro. Já o Defeso de Inverno, que ocorre entre 15 de junho e 31 de julho, tem como objetivo possibilitar o desenvolvimento das sardinhas jovens que nessa época passam para a fase adulta. Com a suspensão da pesca durante o verão, a espécie atinge o tamanho ideal de captura. Os períodos de defeso da sardinha vem alcançando seus objetivos com aumento dos estoques da espécie. Em 2009, foram capturadas cerca de 84 mil toneladas e em 2008 foi em torno de 75 mil toneladas. Os estados maiores produtores do pescado são Rio de Janeiro e Santa Catarina que se revesam nessa liderança. Em terceiro vem São Paulo.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Resgate durou 4 anos

Fotos BBC Brasil Máquina de mergulhadores, cujo barco foi levado pelo mar revolto, estava com o cartão de memória intacto
Uma câmera subaquática com fotos de um emocionante resgate em alto mar foi encontrada intacta em uma praia, quatro anos após ter desaparecido nas ondas, na costa Norte da Austrália. As imagens mostram os momentos de desespero passados pelos mergulhadores Peter Trayhurn e Geoff Tosio no local de mergulho conhecido como Pimpernel Rock, depois que a corda da âncora arrebentou e seu barco foi levado pelo mar revolto, deixando os dois sozinhos a 8 km da costa, em 2006. Os australianos acharam que iriam se afogar enquanto tentavam se manter juntos, presos em uma corrente por mais de quatro horas. Mas, apesar do medo, eles decidiram registrar a situação. "Pensei: 'Essa é uma experiência bem interessante. Eu devia tirar umas fotos'", disse Trayhurn ao jornal Daily Telegraph, da Austrália. Os mergulhadores acabaram sendo avistados por um navio-tanque. Eles foram então resgatados por uma lancha da polícia e levados para a aparente segurança de seu barco de mergulho. Mas quando eles estavam voltando para a costa, o barco virou, colocando a vida dos mergulhadores em perigo mais uma vez. Eles foram novamente resgatados pela polícia e acabaram conseguindo recuperar o barco, mas a câmera de Trayhurn se perdeu nas ondas. Quatro anos depois, a câmera foi encontrada, com o cartão de memória intacto, em uma praia próxima ao local do incidente. "Eu não me importava com a câmera ou com a caixa protetora, mas achar aquelas fotos foi especial", disse Trayhurn ao Daily Telegraph. ( Da BBC Brasil)

"Anônimas", Toninhas estão em extinção

Cerca de 50 cientistas elaboraram, na semana passada, um plano de ação para salvar as toninhas. Essa espécie de golfinho (Pontoporia blainvillei), prima pobre e desconhecida dos golfinhos-rotadores, que vivem em Fernando de Noronha e são mais famosos no Brasil, corre risco de extinção. As toninhas vivem desde a costa do Espírito Santo até a Argentina. Por isso, os pesquisadores reunidos eram de vários países da América do Sul e mesmo do exterior. Eles estiveram reunidos em Florianópolis para uma elaboração de diretrizes. Um dos objetivos centrais é reeducar pescadores para evitar muitas toninhas fiquem presas na suas redes --a "pesca" involuntária de toninhas é a grande vilã da espécie, hoje classificada como "vulnerável" nas listas de espécies ameaçadas. Boa parte do desconhecimento da espécie tem a ver com a sua maneira de viver. Ao contrário de outras espécies de golfinhos (como os próprios rotadores), a toninha não costuma ser facilmente observada na natureza, e não rende boas fotos. Diante da falta de atenção, calcula-se que, entre 1996 e 2004, a população de toninhas tenha caído pela metade. Existem hoje cerca de 40 mil indivíduos da espécie.
(Com informações do www.folhaonline.com.br )

terça-feira, 2 de novembro de 2010

MAR DE PANDORGAS

Fotos Andrea Ramos Os gêmeos Bruno e Vitor Gobato, 12 anos, nunca deram bola para as brincadeiras de pandorga. Sempre preferiram o mar. Ontem, porém, eles trocaram as águas da praia do Pântano do Sul para empinar o brinquedo pela primeira vez. Tudo mudou quando eles descobriram que, antigamente, as pandorgas não eram encaradas apenas como brincadeira entre os nativos da praia. Depois de muito pesquisar sobre a importância que o instrumento teve no local, eles ganharam gosto pelo brinquedo e, ontem, participaram do 1º Festival de Pandorgas do Pântano do Sul (Pantusuli), promovido pelo Instituto Ilhas do Brasil. – Mais do que promover o encontro entre gerações, as pandorgas são uma brincadeira sustentável. Elas cuidam do meio ambiente e ajudam a conscientizar quanto a isso – explica a coordenadora da oficina da teatro e do festival, Ana Maria Orlando. O interesse pela brincadeira surgiu em abril, quando os alunos do projeto Estrelas do Mar conheceram o mito de Ícaro – personagem grego que ganhou do pai asas feitas de penas e cera, mas morreu ao voar alto demais porque as asas derreteram com o calor do sol – e, a partir dessa história, pesquisaram e redescobriram uma antiga tradição do Pântano do Sul. Cada um conversou com vizinhos e parentes mais velhos para recuperar a memória da pesca de pandorga, que havia na região e hoje não é mais praticada: há mais de 40 anos, os pescadores lançavam ao mar pandorgas que carregavam anzois presos por um balaio e que recolhiam os peixes do alto mar. – Eu e as outras crianças nunca tínhamos ouvido falar nessa tradição. Só quando perguntei, meu avô me contou. Agora, queremos ajudar a preservar esta memória para que ela não morra – ensina Júlia Ribeiro Duarte, 13 anos. Ontem, o evento começou com a apresentação da peça de teatro que conta essa história e encerrou com o Dragão do Lixo do Mar, uma pandorga de cinco metros feita com objetos coletados na orla. Uma das pandorgas também foi levada mar adentro por um pescador, com bilhetes com textos sobre esperança, paz e família. (Do http://www.diario.com.br/ )

FOGO NAS ARANHAS

Foto Hugo Dodl A fumaça voltou a ser avistada na Ilha das Aranhas. O incêndio começou neste domingo e chegou a ser controlado pelo Corpo de Bombeiros de Florianópolis. Com o vento e o tipo de vegetação local, as chamas reascenderam nesta segunda-feira e o helicóptero da corporação, o Arcanjo, precisou ser acionado novamente. Nos dois dias, o fogo atingiu uma área de 2,5 hectares, o equivalente a dois campos e meio de futebol. A ilha está localizada na frente das praias do Santinho e Rio Vermelho. A causa do fogo ainda não é conhecida. O combate foi feito com uma equipe de quatro bombeiros. De acordo com o capitão Giovanni Matiuzzi, comandante de operações aéreas, além do difícil acesso para chegar no lugar, há dificuldade em extinguir o incêndio. — A vegetação é rasteira e forma uma espécie de turfa que fica queimando por baixo. O batedor não consegue combater. Usamos água e deixamos o lugar sem chamas. Mas por causa dessa característica e do vento, o fogo pode voltar. A ilha é formada por duas áreas distintas: uma com mata e árvores de grande porte e a outra com vegetação rasteira, atingida pelo incêndio. Segundo o capitão Matiuzzi, os danos registrados até o momento estão restritos à flora do local. Ele explica que como é uma reserva ambiental, a ilha só pode ser visitada com permissão do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Caso alguém perceba novos focos de fumaça vindos do local pode entrar em contato com o telefone 193 e avisar o Corpo de Bombeiros. (Com informações do www.diario.com.br )

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Olhando Ilhas, Espero...

Foto Fernando Alexandre
Ilha Irmã do Meio
Aqui
nesta pedra
alguém sentou
olhando o mar
o mar
não parou
pra ser olhado
foi mar
pra tudo quanto
é lado
Paulo Leminski, escritor, poeta, tradutor e professor . Nasceu em Curitiba, em 24 de agost0 de 1944. Faleceu em Curitiba, em 7 de junho de 1989.