quarta-feira, 30 de junho de 2010

TAINHA PERIGOSA?

Parasita da tainha causa mal-estar
A tainha foi incluída na Lista de Classificação de Risco dos Agentes Biológicos por transmitir a heterofiíase humana, que provoca dores abdominais e diarreia. Neste ano, o Ministério da Saúde revisou a lista e colocou o parasita que causa a doença na classe 2 – moderado risco individual e limitado risco para a comunidade. O peixe transmite o parasita Ascocotyle e oferece perigo quando consumido cru ou mal cozido. A bióloga da Fundação Oswaldo Cruz Cláudia Portes Santos diz que as pessoas ficam infectadas e nem se dão conta. Os consumidores sentem os sintomas e se recuperam em seguida. A especialista explica que o causador da doença vive em um molusco de água salobra. A tainha é um animal marinho, mas que entra em lagoas e estuários, braços do mar que desembocam num rio. Nestas ocasiões, ela tem contato com o molusco. Cláudia ressalta que o estudo não pretende levantar bandeira contra sushis, sashimis ou consumo da tainha e que é apenas um alerta.

Elas estão chegando...

Foto Nynguem Sabonome
Três adultos e dois filhotes de Baleias Francas foram avistados por pesquisadores e voluntários da ONG Projeto Baleia Franca (PBF) na manhã de ontem, terça-feira, na praia de Itapirubá, em Imbituba, Sul do Estado. Esse é o primeiro registro oficial da temporada. A temporada de observação da baleia franca começou em junho e vai até novembro, período escolhido pelos animais para acasalamento, procriação e amamentação dos filhotes em águas mais quentes. No resto do ano, as baleias ficam nas águas geladas da Antártida, no hemisfério sul, onde se alimentam. Santa Catarina é o Estado brasileiro que registra o maior número de aparições de baleia franca pelas características do seu litoral, que atraem os animais principalmente pela temperatura mais amena. Para esta temporada, a expectativa é de que pelo menos 114 baleias visitem o litoral catarinense, entre o Sul da Ilha de Santa Catarina e o Balneário Rincão, em Içara, no Sul do Estado. As baías preferidas das baleias francas são a Gamboa, em Garopaba, Ibiraquera, Ribanceira e Itapirubá Norte, em Imbituba, e algumas enseadas do Cabo de Santa Marta, em Laguna. Durante a temporada das baleias francas, não é comum o aparecimentos de outras espécies no litoral catarinense. Apenas duas aparições de outras espécies nos últimos anos foram registradas: uma delas foi de baleia bryde, em 2005, que costuma visitar o Rio Grande do Sul. (Informações do Projeto Baleia Franca)
Comandante Zenaide, pescadora de tainhas e chefe do Restaurante Pedacinho do Céu, no Pântano do Sul, canta em versos a Rainha dessa temporada...

terça-feira, 29 de junho de 2010

DEU NO JORNAL!

Foto Marcelo Becker/DC
Pesca irregular no Sul
Dois barcos que realizavam pesca de arrasto fora dos limites permitidos por lei na região de Araranguá, no Sul do Estado, foram apreendidos pela Polícia Ambiental e levados para o porto de Laguna. Toda carga de mais de 10 toneladas de peixes foi confiscada e será doada para entidades beneficentes da região de Laguna. De acordo com o comandante da Polícia Ambiental de Laguna, major Jefer Francisco Fernandes, durante 12 dias as embarcações foram monitoradas por um sistema de vigilância, período em que sempre estiveram a uma distância de duas milhas da costa. O permitido por lei para a modalidade de pesca praticada na ocasião é de três milhas. – Acompanhamos todo o deslocamento dos barcos e eles sempre se mantiveram em áreas irregulares – diz Fernandes. O flagrante formal ocorreu no sábado e no domingo à noite. A embarcação Dom Manoel V e Dom Manoel VI estavam com uma tripulação de 14 pessoas e pertencem a um empresário do setor pesqueiro de Laguna. Ele vai responder por crime ambiental previsto na Lei 9.605 que prevê de um a três anos de detenção, além do pagamento de uma multa de R$ 700 a R$ 100 mil. A multa prevê ainda um acréscimo de R$ 20 por tonelada de pescado apreendido. (marcelo.becker@diario.com.br)

segunda-feira, 28 de junho de 2010

domingo, 27 de junho de 2010

Dividindo os peixes

Imagens Andrea Ramos Depois de arrastados para a praia e contados, os peixes são divididos: trinta por cento do total vai para o dono da parelha (canoa e redes) e os outros setenta por cento são divididos entre a camaradagem. Em cada uma das 4 parelhas de pesca do Pântano do Sul, 50 nomes estão na lista da rede, totalizando 200 camaradas.
Cada camarada que participou daquele "lanço" vai receber o seu "quinhão" de tainhas. Ontem, como todas as 4 canoas participaram dos cercos, o peixe foi dividido entre todos os camaradas presentes na praia.

Viva o padroeiro!

Pintura de São Pedro encontrada recentemente nas catacumbas de Roma. A imagem mais antiga do padroeiro dos pescadores que se tem conhecimento até agora. São Pedro está sendo efusivamente comemorado este ano na comunidade pesqueira do Pântano do Sul. Desde sexta -feira os pescadores não pararam de trabalhar e de festejar os vários lanços que trouxeram, em dois dias, mais de 20 toneladas de tainhas à praia.

Cerco no Costão do meio

fotos Andrea Ramos
Muita tainha (mais de 7 toneladas), muita gente, muita festa no arrastão realizado ontem, sábado, no trecho da praia conhecido pelos pescadores como Costão do Meio, ( dunas dos Açores).
As 4 canoas do Pantano do Sul foram para o mar.

sábado, 26 de junho de 2010

E viva São João e São Pedro!

E dá-lhe tainha! Neste cerco, o segundo do dia, foram mais de 800 peixes grados.

ÚÚÚ!!! Mais peixe no Pântano do Sul

Fotos Andrea Ramos
A festa hoje começou bem cedinho no Pântano do Sul: em dois "lanços" mais de 2 mil peixes foram capturados. No primeiro deles, os vigias abanaram ainda não eram 7 da manhã e os gritos do apupo acordaram boa parte dos pescadores. No segundo, quase 400 tainhas.
E OS VIGIAS CONTINUAM DE OLHO NO MAR...
AINDA TEM MUITO PEIXE PRA ENCOSTAR!
ÚÚÚÚÚÚÚÚ!!!!!!!!!!!!!!

ÚÚÚÚÚÚÚ!!!!!!! FESTA NO PÂNTANO!

Foto Andrea Ramos
Em três "lanços", pescadores do Pântano do Sul cercaram e arrastaram na tarde de hoje cerca de 1.500 peixes. Desde cêdo, os vigias já estavam abanando para avisar da existência de um cardume próximo ao costão. A canoa "Terezinha", patroneada pelo "Barrinha", escorregou pelas estivas e nem chegou a molhar a prôa, quando o cardume de tainhas "abriu".
Depois das 11 horas, mesmo com a praia deserta, a torcida era dupla: para que o Brasil fizesse gols e que os peixes só encostassem depois do jogo. A seleção brasileira não fez gols e os peixes não apareceram ou não foram vistos pelos vigias.
Logo depois do jogo, os vigias voltaram a abanar e o grito de ÚÚÚÚÚÚÚ!!!!!!!!!! voltou a ser ouvido em toda a comunidade. "A canoa "Osmarina", patroneada pelo Armando, foi prá água e cercou mais de 600 tainhas. O cerco não tinha ainda terminado quando os vigias voltaram a abanar e, em meio aos gritos de alegria, a centenária canôa "Espirito Santo" escorregou para a água e cercou outro cardume, patroneada pelo Dário: foram quase 500 peixes.
Em seguida foi a vez "Mariposa" mostrar que também estava "aprontada" para a pesca. Patroneada pelo Didi, cercaram um pequeno cardume de quase 200 peixes.
Depois da longa espera, finalmente as tainhas encostaram no Pântano do Sul.
FESTA NA PRAIA!
Contado e dividido em quinhões entre os camaradas que estão na lista das canoas - são duzentos nas 4 listas - ainda sobrou peixe para todas as outras pessoas que ajudaram nos "lanços".
A noite, o aroma de tainhas fritas ou assadas invadiu todas as ruas e ruelas da comunidade!

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Milagre dos Peixes

Foto Amilton Alexandre
Muita Tainha em Itajaí. E de graça...
Pratos feitos com tainha serão oferecidos gratuitamente sábado na Festa do Peixe, em Itajaí. Neste sábado, entre 10 e 16 horas, na Praça Genésio Miranda Lins, junto à Avenida Ministro Victor Konder, em Itajaí, haverá distribuição gratuita de pratos feitos com tainha. A ação faz parte da 6ª Festa do Peixe. Ao todo, 34 barracas, comandadas por secretarias e autarquias municipais e por entidades da sociedade civil organizada, vão servir tainha frita, assada, grelhada, espalmada ou recheada e ainda com direito a acompanhamentos como caldeirada de frutos do mar, pirão ou arroz. A expectataiva do organização do evento é distribuir oito toneladas de peixe.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Deu Tainha na Web

EM TAQUARINHAS
Fotos Marcos Porto
Lanço de tainha atrai moradores em Taquarinhas
Na manhã desta quarta-feira, um lanço de cerca de cinco mil quilos de tainha atraiu a atenção de moradores e turistas que passavam pela Praia de Taquarinhas, em Balneário Camboriú. Pessoas aproveitaram para levar alguns peixes pra casa e uma empresa de pescados da cidade comprou praticamente todo o resultado da pesca.
(do BLOG DO LITORAL - www.diario.com.br )

Caça de malha

Outra forma da pesca de tainhas no Pântano e litoral Sul do Brasil é a caça-de-malha. Fora da praia, baleeiras ou botes, com tripulação quase sempre formada por 3 pescadores, procuram os cardumes próximo aos costões ou mais distante da costa. Ao ser localizado, o cardume é cercado e os peixes, ao tentarem escapar, ficam "malhados" - presos - na rede.
"Mar Azul", o barco do "Xuxu", um dos mais experientes pescadores da região, sai sempre ao nascer do sol e passa todo o dia em busca de tainhas. No final do dia, retornam à praia. As vezes com bastante peixe, como foi o caso da terça-feira passada, quando cerca de 2 toneladas foram "despescadas" na praia, depois do retorno. Ontem, quarta-feira, não deu peixe e o barco voltou com as redes vazias já quase noite, quando uma pequena fogueira já ardia na praia, insistindo em lembrar que dia 23 era véspera de São João.

Na Barra, no Santinho e na Pinheira

Mais de 22 toneladas de tainhas foram capturadas na noite dessa quarta-feira nas praias da Barra da Lagoa e do Santinho, na Capital, e na praia da Pinheira, em Palhoça. Desde o início da safra, já foram capturados mais de 500 toneladas de tainha em toda a Grande Florinópolis. A demora na chegada do pescado ao Litoral Catarinense não desanimou os pescadores, que esperam mais lanços com o início do inverno. A safra termina no fim da primeira quinzena de julho.
(Informações do http://www.diario.com.br/ )

NOS INGLÊSES

Pescadores da Praia dos Inglêses, Norte da Ilha, acabam de cercar e arrastar 10 toneladas de tainhas. Neste momento, 11 da manhã, o peixe está sendo dividido na praia entre a camaradagem e todos que ajudaram no arrasto.

FORA! FORA! FORA!!!!

Nesta reportagem do jornalista e surfista Pedro Kuhnen, realizada na safra de 2007 para o Telejornal Metropolitano - Laboratório de Produção Audiovisual UNISUL Pedra Branca, ele mostra a pesca da tainha na Barra da Lagoa. Lá, o grito que avisa a comunidade que tem peixe para ser cercado é

FORA! FORA! FORA!

quarta-feira, 23 de junho de 2010

NA BARRA DA LAGOA

Foto Andrea Ramos
Pescadores da Barra da Lagoa, Leste da Ilha de Santa Catarina, capturaram nesta quarta-feira cerca de 700 quilos de tainhas, o que representa mais de 500 peixes. A expectativa é que, com a chegada do inverno, mais tainhas sejam fisgadas nos próximos dias. O último grande lanço na Barra aconteceu na manhã da última segunda-feira, quando foram pescadas quatro toneladas de peixe.

DE PROFUNDIS


A gaivota
no curvo céu cinza,
no arco
das asas longas,
mapeia a praia.
A gaivota
busca emboscar
o peixe na água viva,
traçando no ar um oito
sobre outro.
A gaivota
cercando o cardume
na rota das rotações,
circunda as ondas
a céu e mar abertos.
Gaia devota do vento,
a gaivota
vem e vai,
vai e volta.
Mario Domingues
(poema inédito do livro Musga, que será lançado este mes pela Editora Mirabilia, que nos foi enviado por Josely Baptista, coordenadora editorial do projeto).

terça-feira, 22 de junho de 2010

SUBMARINO MANÉ...

O engenheiro Roberto Boell Vaz vai apresentar no final deste mês, na Exponáutica, em Biguaçu, mais um de seus inventos: trata-se do Auto Boat, uma embarcação que lembra um submarino e funciona sem presença humana. O modelo servirá para o monitoramento e coletas de dados ambientais, além do levantamento da topografia subaquática, diz o inventor pernambucano, mas que desenvolve a embarcação em Florianópolis, onde mora.
Então, então! Já tem gente chamando o novo invento do Roberto de MANÉRINO e querendo saber se o bicho também serve pra espiá tainhas!

ATRÁS DO FRIO...

DEU NA PALHOÇA

Foto Fernando Alexandre
Pescadores lancearam na manhã de hoje mais um grande cardume de tainhas na Praia de Cima, em Palhoça. Depois de arrastados e contados, os peixes somaram mais de 7 mil, o equivalente a mais de 12 toneladas. Festa na Praia de Cima.

MAR DE ARTISTA

Reprodução
Ernesto Meyer Filho (Itajaí 4 de dezembro de 1919 — Florianópolis, 22 de junho de 1991) , autor de obra fantástica, festiva, colorida. Sua maginação cósmica o levou a observar a Ilha de Santa Catarina provavelmente da montanha mais alta do Sistema Solar, localizada em Marte, o grande planeta vermelho, carente de mares, que o artista afirmava ter visitado várias vezes.

HOJE VAI DÁ PEIXE!!!

Foto Sartando Fora
Com o começo do inverno oficial e as baixas temperatura que chegaram juntos, entre pescadores experientes, vigias, olheiros e palpiteiros em geral, todos arriscam que HOJE vai dá peixe no Pântano do Sul. O Vento é de Sul, calmo, as águas são de norte e o mar tá batido de leve. Quem veio do "fora" hoje - os pescadores que praticam a "caça-de-malha" - garantem que viram muito peixe lá pros lados da Pinheira (apesar de ninguem ter matado nada). Além de tudo, a torcida é grande. Tá precisando entrar uma manta bonita de tainhas pra alegrar a camaradagem!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

NA GAROPABA

Foto Sérgio Saraiva
A onda de frio que chegou nesta segunda-feira (21), dia que marca o início do inverno no hemisfério sul, carregou junto cardumes de tainha. Pescadores de Garopaba tentaram vários lanços durante o dia e não conseguiram cercar o cardume na Prainha, ao norte da praia central. Mas vários barcos lograram o cerco, embora capturando pequenas quantidades do apreciado pescado. É tradição cultural. A chegada da tainha reune parte da população mais antiga na beira dos ranchos. Outros barcos permaneciam ao largo no final da tarde e ainda não havia certeza se haviam capturado mais tainhas. De acordo com as estimativas dos pescadores artesanais da cidade, nesta temporada já foram capturadas 47 ton de tainhas, entre as pesadas (comercializadas) e as distribuídas às tripulações e moradores.
(Informações do Sérgio Saraiva, do http://www.garopapabaonline.com.br/ )

domingo, 20 de junho de 2010

Ovas receita

Mais conhecida como bottarga, as ovas de tainha levam o nome de karasumi na cozinha japonesa. No restaurante Kinoshita, do chef Tsuyoshi Murakami, elas vêm servidas junto a finas fatias de nabo e um toque de pimenta e de azeite.

No Santinho

Foto Fernando Alexandre
Pescadores da praia do Santinho, no Norte da Ilha de Santa Catarina, capturaram cerca de 6 mil tainhas, aproximadamente 10 toneladas do pescado, neste sábado.
Mesmo com o mar agitado os pescadores cercaram os peixes logo depois de serem avisados pelos vigias da presença de um grande cardume na região da praia. Quando as canoas retornaram, turistas e moradores ajudaram a retirar as pesadas redes do mar.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

ENTÃO, ENTÃO!!!

Depois de muita espera, finalmente lancearam no Naufragados na semana passada, extremo Sul da ilha. Lá, a pesca de praia continua sendo feita como nos tempos antigos. Durante os meses da safra, a "camaradagem" se muda para a praia, mora nos ranchos de canoas e vive, come e respira tainhas o dia inteiro. Muitos dos "camaradas" são funcionários públicos ou profissionais que tiram férias nesta época do ano especialmente para poder participar da pesca.
O vídeo, postado no You Tube no último dia 14, tem narração especial em legítmo "manezês praieiro" e a indicação foi de nossa correspondente no "mar-de-dentro" Ione Ramos, lá do www.paraisodasostras.com

O Mar dá, o Mar leva...

Foto Fernando Alexandre
Agora, a Maré Morta
.
Após as ressacas no final de maio, agora é a maré seca que chama a atenção dos catarinenses. Além de revelar a faixa de areia, que ficou encoberta pela água nas últimas três semanas, a maré baixa, conhecida como seca ou morta, trouxe à tona lixo e entulho. As mudanças no cenário não param por aí: a água do mar, em diversos pontos do Litoral, ficou escurecida e turva. De acordo com especialistas, a oscilação da maré é um fenômeno normal que ocorre a cada 15 dias. O professor da Fundação Universitária de Rio Grande (Furg) e PHD em Ciências Oceânicas, Eloi Melo, diz que as mudanças no mar ocorreram por causa da tentativa das praias de voltarem ao estado que tinham antes da ressaca. Melo explica que a praia (um traçado que percorre, na zona emersa, uma faixa entre as dunas, areia, zona de arrebentação das ondas, e se estende até uma profundidade de 10 metros mar adentro) é um sistema dinâmico que trabalha para manter o próprio equilíbrio. Por isso, é comum as praias apresentarem variações de largura. — A ressaca tira a areia exposta da praia e a leva para o mar. Para manter o equilíbrio, depois que a ressaca cessa, as ondas devolvem a areia para a parte emersa. Não é o mar que recuou, mas a areia que está voltando ao seu espaço anterior. É normal que a linha de costa avance e recua diariamente. Mudança no cenário Para o oceanógrafo da Epagri, Argeu Vanz, o cenário litorâneo mudou por causa da combinação de diversos fatores. Associados à maré astronômica, influenciada pela entrada da lua nova no dia 12, à ausência da maré meteorológica, e à ocorrência de vento norte, os efeitos da maré baixa ficaram mais perceptíveis. Um dos efeitos desagradáveis que o avanço da areia causou, combinado com as chuvas intensas da últimas semanas, foi o aparecimento de lixo (galhos, entulhos) na orla e o escurecimento da água do mar em alguns pontos do Litoral. Vanz comentou que, na segunda-feira, a tábua de marés, medida da variação de amplitude das marés baixa e alta (preamar) feita a partir de cálculos matemáticos e observações históricas, registrou a maior variação do mês. A tábua das marés indicou uma variação de 1,1 metro entre a maré seca, às 11h15min, e a preamar, às 16h32min. De acordo com o meteorologista da Epagri, Marcelo Martins, a previsão é que a maré baixe ainda mais nesta semana porque não há previsão de vento sul, que "empilha" a água do mar na costa, e nem a previsão da ocorrência de ciclones, que influenciam as marés meteorológicas. (Matéria do DC, de Francine Cadore / francine.cadore@diario.com.br )

sábado, 12 de junho de 2010

OS CICLONES E AS RESSACAS

O mês de maio ficou marcado em Santa Catarina por fortes ressacas que atingiram o litoral. Principalmente nas praias de Florianópolis, o fenômeno causou a destruição de casas e fez desaparecer a faixa de areia em algumas localidades. De acordo com a Epagri/Ciram, órgão que monitora as condições climáticas no Estado, as ressacas foram influenciadas por ciclones extratropicais que atuaram no Oceano Atlântico, próximo à costa sul do Brasil. Só em maio, seis ciclones se formaram perto de Santa Catarina, nos dias 5, 9, 13, 17, 20 e 30. No litoral sul do país, é comum a formação de ciclones extratropicais no outono e no inverno, o que provoca fortes ventos na região costeira, segundo o órgão estadual. A atuação de sistemas de baixa pressão no oceano, em especial no caso de ciclones, resulta no aumento no nível da maré. Além disso, esses fenômenos favorecem o aumento de ondas que atingem a costa, causando a erosão nas faixas de areia. A soma dessas condições atmosféricas, comuns nessa época do ano, mas que atuaram por mais tempo em maio, com os problemas locais de erosão, resultaram nos estragos causados no litoral catarinense. Pesquisadores da Epagri/Ciram afirmam que a ocupação desordenada, a construção de algumas estruturas em locais não apropriados e a falta de conhecimento sobre a dinâmica litorânea aceleram o processo de erosão na faixa costeira. (Informações do www.diario.com.br )

sexta-feira, 11 de junho de 2010

VAI LÁ!

Tem Tainhas na malha e muito mar no http://jackoartphotos.blogspot.com/

NA GAROPABA, MAIS 12 TONELADAS

Foto Sérgio Saraiva
O desmalhe dos peixes é feito no mar e eles são transportados para a praia em pequenas bateras.
Os barcos dos pescadores Celi e Ka capturam por volta de 12 ton de tainha nesta sexta-feira, segundo estimativas de Tonho Nascimento, que ajudou no cerco com sua lancha. De acordo com os pescadores, a manta (cardume) de tainhas foi avistada no fim da manhã pouco além dos recifes do local conhecido como Parcel. “Ali tem 22 metros de profundidade”, informou Tonho Nascimento. Com os peixes de hoje, os pescadores de Garopaba acumulam a pesca de 45 ton de tainha desde o início da temporada oficial, em 15 de maio.
(Fotos e informações de Sérgio Saraiva )
Saiba mais sobre a pesca e a cidade no

quinta-feira, 10 de junho de 2010

DEU NO JORNAL

Foto Andrea Ramos
PESCADOR CERCA NO
COSTÃO E É AUTUADO
Um pescador foi autuado pela Polícia Militar Ambiental (PMA) por crime contra o meio ambiente, na manhã desta quinta-feira, na Praia da Lagoinha, Norte da Ilha de Santa Catarina. De acordo com a polícia, o pescador violou a instrução normativa 171 do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que regulamenta a pesca da tainha, ao jogar a rede de pesca no mar a 200 metros da costa. Segundo essa resolução, a rede para pesca não pode ser colocada a menos de 300 metros do costão ou a menos de 800 metros da praia. A polícia autuou o pescador, que deverá comparecer à PMA para prestar esclarecimentos. Ele deverá ser penalizado com o pagamento de uma multa no valor de R$ 700. Saiba mais no www.diario.com.br

NA GAROPABA

Na segunda-feira, dia 7, um dos maiores lanços de tainhas na Garopaba.
Mergulhe mais fundo e saiba mais sobre a cidade no www.garopabaonline.com.br

OUTRAS ILHAS...

Cerco e arrasto de tainhas na Ilha do Mel, Paraná. Lá como cá, o peixe é pescado da mesma forma. Muda só a nomenclatura: o vigia, que vê as tainhas, é chamado lá de "Espia". E acredita-se que é ele quem "puxa" , quem "chama" o peixe para a praia "com a força dos olhos".

DEU TAINHA NO JORNAL!

As “estimadas” já têm nome
"Pronto! Agora a Hora já pode parar de chamar só de “quiridas”, estimadas e tal e coisa as tainhas do chargista André Martins. Graças às mais de 70 sugestões dos leitores - e depois de uma tarde inteira escolhendo nomes, aqui na redação - as meninas já estão batizadas. As escamosas agora se chamam Escalada e Ovadinha. O autor da sugestão mais votada pelos editores, diagramadores e repórteres da Hora, foi o leitor Flávio Romário Antunes. "
(Jornal Hora de Santa Cataina)

DEU NO JORNAL

APÓS NAUFRÁGIO Pescador morre afogado
Depois de nadar cerca de um quilômetro até a Praia Vermelha, o pescador José Carlos Evangelista acompanhou, exausto, o helicpótero Águia da Polícia Militar retirar da água o corpo do amigo. Gilberto Borges, 40 anos, morreu afogado ontem pela manhã, meia hora após os dois entrarem no mar para pescar tainha. Evangelista nadou até a praia, pois conseguiu se livrar das roupas pesadas e ficou só de bermuda. O colega, que vestia uma jaqueta de couro, afundou, depois de ser atingido pela série de ondas. Logo que a embarcação virou, outros dois pescadores que aguardavam na areia o início do arrasto apressaram-se na tentativa de salvá-los. Gilberto não usava colete salva-vidas no momento em que a embarcação virou pode ter contribuído para o afogamento do pescador. O dono do barco, Diogo Weidle, não conversou com a imprensa quando acompanhou o resgate da embarcação, pela manhã. À tarde e à noite, as ligações feitas para o celular dele caíram na caixa postal.
(Do DC de hoje - mergulhe na fonte http://www.diario.com.br/ )

DEU TAINHA NA REDE...

Foto Andrea Ramos
Blog do Cacau Menezes
"Comentário no Bar do Odilon, na Costa de Dentro, lá pras bandas do Pântano do Sul: “Foi tanto, tanto, mas tanto peixe no Pantu súli que inté bucica ganhou quinhão”. Bucica, pra quem não sabe, é cachorra vira-lata em “manezês”. Repasso… Finalmente as Tainhas estão invadindo a Ilha! Nos últimos dias elas estão desembarcando e ocupando as praias, bares, peixarias, restaurantes e cozinhas de todas as casas! Só se fala em tainha, só se sonha com tainha, só se cheira e vive tainhas! Os vigias estão abanando e o apupo já corre por todos os bytes! Não perca este “lanço”. Cerque e arraste esse peixe e toda sua cultura para a sua praia no http://www.tainhanarede.blogspot.com/